sábado, setembro 29, 2007

O Aprisionamento

Não sei dizer se o que vou dizer é história ou estória, mas vale pela aplicação.
Diz-se que nos primórdios da fotografia, haviam algumas pessoas que julgavam que a alma ficava aprisionada na fotografia, como tal a máquina fotográfica ficou com uma conotação negativa para essas pessoas. Sabemos obviamente que as fotografias não aprisionam almas, acontece que hoje em dia existem realmente máquinas de aprisionar que derivaram da fotografia, estou a falar da televisão, cinema, videojogos, entre outros. Na verdade se estes utensílios não forem bem utilizados acabam por aprisionar pessoas como têm aprisionado algumas, cabe a nós pensarmos até que ponto determinada coisa é útil e ter a sensibilidade de nos afastarmos de coisas que começam a nos roubar o tempo, que nos fazem alhear de pensar nas questões chave da vida, que nos fazem ficar estúpidos.


2 comentários:

Adilson Marques disse...

Caro N9,
Depois de tanto tempo de ausência resolvi aparecer. Contudo, devo referir que, por vezes, sempre me actualizei lendo as tuas mensagens.
Em relação aos meios tecnológicos que aprisionam, penso que a questão nunca será consensual porque os aprisionados nunca serão capazes de reconhecerem a sua condição, o que infelizmente os impossibilita de se libertarem. Um abraço.

inês disse...

Olá, olá. Não costumo muito vir aqui, não por preguiça, mas porque, realmente, o tempo que gasto na internet é pouco :/ Contudo, o comentário do adilson deixou-me em pulgas para postar a minha opinião. Eu não concordo com o facto de os que estão aprisionados, nunca conseguirem reconhecer a sua condição, isto porque aquilo que nós somos está em constante transformação, porque aprendemos coisas novas que fazem mudar as nossas atitude em relação a tudo. Logo, aqueles que estão aprisionados poderão mudar a sua atitude se alguém ou alguma coisa lhes conseguir mostrar que estão presos e que podem se libertar. A forma como nós o mostramos condiciona a sua libertação. Claro que eu não posso decidir por eles, mas posso mostrar uma outra perspectiva da vida e uma forma de libertação.
Beijo beijo