sexta-feira, dezembro 21, 2007

Feliz Natal e Óptimo 2008

Apenas quero desejar a todas as pessoas que lêem este blog, ou que de alguma forma vieram aqui, um feliz Natal repleto do seu significado e umas excelentes entradas.
Até para o Ano.



quarta-feira, dezembro 19, 2007

Um pouco sobre Verdade

Diz bem a Bíblia que nada podemos contra a Verdade, senão a favor da Verdade. Na realidade a Verdade tem um carácter de auto-subsistência. Imaginemos que dizemos que a Verdade não existe, essa afirmação é auto-destrutiva, tal como todas contra a Verdade, pois se for verdade que a verdade não existe, então já existe verdade. Sabemos que a Verdade tem necessariamente de existir, mas ela não só existe, como subsiste, pois a Verdade tem um carácter eterno, pois se dissermos que qualquer verdade pode vir a se tornar falsa, também esta verdade a respeito da Verdade poderá tornar-se falsa.
A Verdade é absoluta, pois se dissermos que a Verdade é relativa, já estamos a dizer uma afirmação Absoluta (Toda a Verdade é relativa), isto não quer dizer que não hajam verdades relativas a determinado espaço ou a determinado momento, mas para reconhecermos isso precisamos de verdades absolutas, das quais o reconhecimento que existem factores que relativizam determinadas verdades (tempo e espaço por exemplo).
Se existe Verdade, então também existe Mentira (ou falsidade), pois quaisquer coisas que se oponham à Verdade e ao seu carácter têm de ser falsas, já que a Verdade tem de ser Verdadeira.
Ficam aqui uns princípios bastante resumidos, só mesmo para nos levar a pensar um pouco.


quarta-feira, dezembro 12, 2007

O Naturalismo e a Verdade

Qualquer visão materialista do homem, é incompatível com a existência da Verdade. A visão Naturalista das coisas pressupõe que todas as coisas vieram a existir por processos naturais, até mesmo os nossos pensamentos, dos quais o raciocínio lógico também faz parte. Logo se as mudanças corporais são a causa dos pensamentos, não podem existir pensamentos verdadeiros ou falsos, porque uma série de movimentos físicos não pode ser mais verdadeira que outra. Desta forma podemos concluir que a crença no Naturalismo é auto-destrutiva. Se o Naturalismo pressupõe a inexistência de Verdade, o Naturalismo não pode ser verdadeiro.


domingo, dezembro 09, 2007

As Supostas Contradições 5

A MORRER, MORTA E VIVA

Esta será o último post de esclarecimento de supostas contradições, vamos então ao que interessa:

Lucas 8:41 e 42
E eis que chegou um homem de nome Jairo, que era príncipe da sinagoga; e, prostrando-se aos pés de Jesus, rogava-lhe que entrasse em sua casa;
Porque tinha uma filha única, quase de doze anos, que estava à morte. E indo ele, apertava-o a multidão.

Mateus 9:18
Dizendo-lhes ele estas coisas, eis que chegou um chefe, e o adorou, dizendo: Minha filha faleceu agora mesmo; mas vem, impõe-lhe a tua mão, e ela viverá.



Tratam-se de duas passagens acerca do mesmo acontecimento, porém aparenta que existe aqui alguma contradição, segundo Lucas a menina estava a morrer, e segundo Mateus ela já estava morta.
Fico estupefacto com as diferenças e ao mesmo tempo parecenças que realmente existem, e fico grato a Deus por ter chegado até mim mais de que uma descrição dos factos, descrições diferentes apoiam a genuinidade dos acontecimentos. Neste caso não existem descrições contraditórias, existem descrições diferentes que apoiam a genuinidade dos textos.

Repare-se a diferença ao nível textual das duas passagens, Lucas narra o facto, Mateus narra o facto e acrescenta o que foi dito pelo Pai. Portanto a menina não estava morta, o Pai é que disse que estava. O acontecimento foi descrito e o que é verdadeiro é o que é dito pelo escritor dirigido por Deus. Então é verdadeiro que a menina ainda não estava morta, é também verdadeiro que o pai dela pensava e disse que estava morta, não há qualquer tipo de contradição.

O pai não era o único a pensar que a filha já estava morta, pois o príncipe da sinagoga disse: A tua filha já está morta, não incomodes o Mestre.
É possível que a filha tivesse entrado num estado de coma e depois que tenha morrido, porque afinal Jesus ressuscitou-a. Embora Jesus tenha dito: não está morta, mas dorme, o que dá a entender que realmente estava num coma, a menina realmente morreu a determinada altura quando Cristo vinha já ter com ela. O facto de Cristo dizer "dorme" dizia a respeito do que é a vida, vida eterna, então ela estava apenas num sono até determinado dia, mas morta fisicamente como é óbvio.

Por fim Jesus demonstra o seu poder sobre as leis da física (que Ele mesmo criou), ressuscitando esta menina, a filha de Jairo.



sábado, dezembro 01, 2007

As Supostas Contradições 4

A ORDEM DOS FACTOS

Vejam-se os seguintes trechos de duas das biografias de Cristo:

Lucas 4: 1-12
Mateus 4:1-10


Temos aqui dois bocados de texto, ambos dizem a mesma coisa e da mesma maneira, só não dizem aparentemente pela mesma ordem. Nesse caso temos uma espécie de aparente contradição, um pouco diferente das abordadas até agora, mas também esta deve ser analisada.
Depois também parece que há uma espécie de contradição no que diz respeito ao sítio a que Jesus foi levado para se atirar.
Temos de ter em atenção que Jesus foi tentado por quarenta dias. Tanto tempo apenas para três tentações? Claro que não! Jesus foi tentado e repetidamente tentado, vejamos esta frase:

Mateus 4:8

Novamente o transportou o diabo a um monte muito alto; e mostrou-lhe todos os reinos do mundo, e a glória deles.

Reparam na palavra novamente? Pois Jesus foi novamente tentado. Ele foi tentado várias vezes, a mesma tentação também, como tal as descrições não nos dizem todas as tentações nem respectivamente como foi a sua ordem. Neste caso específico a última tentação disse respeito a uma repetição, os autores das biografias só nos elucidaram o objectivo não era uma descrição detalhada.



sábado, novembro 24, 2007

As Supostas Contradições 3

VINTE E DOIS OU QUARENTA E DOIS?

2 Reis 8:26
"Era Acazias de VINTE E DOIS ANOS DE IDADE quando começou a reinar, e reinou um ano em Jerusalém; e era o nome de sua mãe Atália, filha de Onri, rei de Israel."

2 Crônicas 22:2
"Era da IDADE DE QUARENTA E DOIS ANOS, quando começou a reinar, e reinou um ano em Jerusalém; e era o nome de sua mãe Atália, filha de Onri."


Confesso que não consegui decifrar esta suposta contradição, porém descobri alguém que conseguiu e muito bem, por acaso esta pessoa por sua vez já tinha descoberto alguém que tinha descoberto...confuso? Não interessa. O que interessa é que neste link os leitores encontraram a resposta a esta suposta contradição.

sábado, novembro 17, 2007

As Supostas Contradições 2

O ESCRITOR DAS TÁBUAS


Êxodo 34:1
"ENTÃO disse o Senhor a Moisés: Lavra duas tábuas de pedra, como as primeiras; e eu escreverei nas tábuas as mesmas palavras que estavam nas primeiras tábuas, que tu quebraste.
"

Êxodo 34:27
"Disse mais o Senhor a Moisés: Escreve estas palavras; porque conforme ao teor destas palavras tenho feito aliança contigo e com Israel.
"


A pergunta com que nos deparamos é a seguinte: Afinal quem é que escreveu as segundas tábuas da Lei? Deus ou Moisés?
Porque pelo seguimento do texto parece que Deus se predispõe a escrever de novo os mandamentos nas tábuas que Moisés trouxe, mas depois diz a Moisés para escrever esses mesmos mandamentos.

A resolução para este aparente problema é simples, óbvia até, porém primeiro que eu percebesse o quão óbvio era, demorei um pouco. Tratam-se de dois documentos, as tábuas da lei e outra coisa qualquer onde Moisés reescreveu esses mesmos mandamentos. A Bíblia não diz que foi Moisés a escrever essas tábuas, quem as escreveu foi Deus. Contudo surge uma outra pergunta: Porquê?

As tábuas escritas por Deus eram para ser postas dentro da arca (ver Êxodo 40:2o), como tal não podiam ser lidas, então Moisés escreveu os mandamentos para si também e recebeu da parte de Deus as tábuas escritas (ver Deuteronómio 5:22).

terça-feira, novembro 13, 2007

As Supostas Contradições 1

O PROBLEMA DAS LÍNGUAS


Génesis 10:5 e 20
"Por estes foram repartidas as ilhas dos gentios nas suas terras, cada qual segundo a sua língua, segundo as suas famílias, entre as suas nações."
"Estes são os filhos de Cão segundo as suas famílias, segundo as suas línguas, em suas terras, em suas nações."

Génesis 11:1
"E ERA toda a terra de uma mesma língua e de uma mesma fala."



Aparentemente, segundo a ordem dos versículos acima, parece que já existiam várias línguas, na terra mas depois é nos dito que a terra tinha apenas uma mesma língua. Realmente se nos cingirmos a partes isoladas de um texto, é muito comum encontrarmos incompatibilidades. O raciocínio funciona da seguinte forma: Imaginemos uma pessoa tinha uma camisa verde, essa pessoa mudou de camisa, depois é dito que essa pessoa tem uma camisa verde. Se ocultarmos o meio da história ficamos com uma contradição, ao não mencionarmos a troca de camisa.
As supostas contradições Bíblicas são quase sempre assim.

O relato aqui mencionado tem uma prolepse e depois uma analepse, trocando por miúdos, avança no tempo e depois recua. Quando aqui é dito de uma forma implícita que já existiam várias línguas, essa referência é em relação aos netos de Noé (ver Génesis 10: 1 a 4), porém quando se refere à uniformidade das línguas sobre toda a terra, refere-se aos filhos de Noé e aos netos de Noé antes de se haver tentado construir a torre de Babel. (ver Génesis 10:32), porque sabemos que ao mesmo tempo que foram repartidas as várias línguas, também foram as pessoas espalhadas sobre toda a terra (ver Génesis 11:9).


domingo, novembro 11, 2007

As Supostas Contradições (intro)

Já encontrei por mais que uma vez textos com o título "Contradições Bíblicas". Com curiosidade começo a ler, vejo claramente que existe ali muitos itens forçados, e outros que nem sequer fazem sentido, porém, também admito encontro aparentes contradições, algumas esclarecem-se em 5 minutos, outras em 30, e outras tenho de recorrer a cabeças mais dedicadas e com mais conhecimento, acontece que até hoje ainda não encontrei uma verdadeira contradição, todas as supostas contradições têm sido devida e logicamente explicadas. Como tal continuo a afirmar a inerrância da Bíblia e a sua condução e inspiração Divina.
Por mais estranho que possa parecer, quando vejo a aparente, a mais descarada e a mais aparentemente incompreensível contradição, mais eu vejo que a Bíblia merece muito respeito. Pois quão fácil seria para os copistas e tradutores, mudarem apenas um número...mas não, assumiram a incompreensão admitindo a verdade Divina. E Hoje por detrás de aparentes contradições, escondem-se ensinos tremendos e pormenores fantásticos.
Quero então dar início, a uma sessão de 5 posts esclarecendo supostas contradições Bíblicas.
Até à próxima.



domingo, novembro 04, 2007

De Sapo para Príncipe

Segundo o relato evolucionista da origem da vida, os sapos, tendo em conta vários estágios de tempo prolongados, acabaram por se tornar pessoas, e algumas destas pessoas se tornaram príncipes, as únicas diferenças em relação à fábula popular é mesmo o beijinho da princesa e o tempo decorrido.
Na verdade a teoria da evolução das espécies, mais propriamente o darwinismo, não passa de uma conjectura que quer com base num pensamento naturalista, incutir um restiling da fábula que ouvimos quando éramos pequenos, como verdade absoluta. Se assim não fosse ela não seria a única ideia a ser leccionada nos ensinos escolares, sejam básico, secundário ou superior.
Como quero que este post seja um assessório de um conhecimento mais técnico e profundo acerca desta temática, recorro a um artigo em pdf o qual partilho desde já (artigo).
Se tiverem vinte minutos disponíveis deliciem-se com esta espécie de debate (parece-me que é uma transcrição de um debate em vídeo), muito bem escrito e traduzido, o qual põe a nu os pontos paradoxais do darwinismo, mostrando que esta ideia é uma teoria que não deve ser creditada.
De uma forma acessível peritos na matéria (com distintos pontos de vista) abordam a temática a qual acaba por ser conclusiva. Pode resumir-se a um simples silogismo:

Ou os seres vivos apareceram do nada e ao acaso, indo aos poucos evoluindo até se tornarem naquilo que existe hoje, ou um Projectista (Deus) é o único responsável pela origem da vida e das espécies no seu estado actual. (a)
A teoria da evolução é uma ideia insustentável e contraditória,
logo é concludente que só podemos aceitar um Deus como autor auto-suficiente de toda o tipo de espécie.



(a) Existe apenas uma outra opção conhecida, que se chama panspermia, mas esta diz respeito à origem da vida unicamente, e este documento diz muito mais respeito à origem das espécies.
Todavia se alguém acredita nesta ideia, gostava de a conhecer.


quarta-feira, outubro 24, 2007

Os ossos?

Imaginem aquela exposição típica de crânios (de humanos e de macacos) organizados de forma crescente, geralmente utilizada para abordar a temática da evolução. Muito bem, agora imaginem crânios de cães, sim de cães, 5 crânios, igualmente organizados de forma crescente, agora imaginem que o primeiro é de um chiwawa e o último de um dogue alemão. Sigam o mesmo raciocínio que usaram para observar os primeiros crânios e digam-me qual a conclusão que chegam?
Os ossos ao contrário de uma famosa série da fox, neste caso não nos dizem muito, dizem muito pouco melhor dizendo. Várias espécies de macacos, humanos corcundas, anões, não revelam evolução entre si, como é óbvio, revelam sim diversidade.

sexta-feira, outubro 12, 2007

Devemos ensinar as crianças, bem!

Alguns ditos ateus dizem que não devemos ensinar a nenhuma criança alguma coisa que se ligue a religião, não devemos induzi-la, ou ensiná-la em algum caminho religioso, sejamos pais, ou avós, ou professores, etc. Alegam que as pessoas não devem ser induzidas desde pequenas a algo religioso, como tal não devem ser ensinadas a ser religiosas.
Como todos os clamores ateus, este também parte de uma expressão definida a priori, "Deus não existe", desta forma é óbvio que eles não querem que as crianças sejam ensinadas que Deus existe, e que Deus é a razão de todo o universo existir.
Enquanto religiosos, os religiosos também têm algumas directrizes que regulam a sua vida, e alegam que elas são fundamentais para vida, como tal também ensinam assim às crianças. Cada um instrui a criança, na verdade, como acha melhor, ainda que esteja a fazer o pior, que é o caso de pessoas, que dizem que Deus não existe e que tudo é relativo.
Crianças assim ensinadas não têm motivo para viver, não têm motivo para obedecerem a alguma regra, não têm motivo para ensinar sequer os ser futuros filhos, afinal se Deus não existe, que diferença faz acreditarmos n'Ele ou não?

domingo, outubro 07, 2007

É Milagre!

Quando alguém se livra ileso de um acidente de automóvel que à partida tinha como fim a morte de todos os intervenientes, geralmente diz: Foi milagre! O facto de se ajoelhar e agradecer a Deus no preciso momento ou "ir a Fátima" a pé, é irrelevante para sabermos se afinal é um milagre ou não, aliás até mesmo se fosse um ateu ao volante, para a questão é irrelevante.
Pois eu digo que realmente é de Deus essa benesse. Dizem alguns, que milagre seria se não tivessem o acidente, pois eu creio que também existem estes milagres, mas como já nos podemos aperceber, ninguém se dá conta deste milagre... Na verdade é possível que na nossa vida existam muitos destes milagres, mas Deus gosta que alguns dos milagres também sejam vistos, e se para isso é preciso um carro ficar desfeito, Glória a Ele.
Muitas pessoas "põem em ordem" a sua vida após acontecimentos deste género, e ainda bem! Agora milagre era sermos salvos de tudo e de todos? Não, nós temos também de entender que afinal muitos milagres têm de ser vistos, sentidos e presenciados.

quarta-feira, outubro 03, 2007

A lei é para o Homem

"E disse-lhes: O sábado foi feito por causa do homem, e não o homem por causa do sábado."(1)

Jesus disse esta frase ao falar com alguns fariseus acerca de uma das leis dos 10 mandamentos, não é útil trazermos para aqui o contexto, o que é de realçar é a frase de Jesus, a qual eu quero dizer por outras palavras: As leis foram feitas por causa dos homens e não os homens por causa das leis.
Usando a frase em toda a sua abrangência, é visível que não está presente em muitos momentos de julgamentos em tribunal. Quando à "fina força" querem fazer valer mais a letra do que o próprio homem, então perdemos o sentido da lei. A lei é para bem da humanidade, por vezes a lei torna-se para bem de um ou de vários (não sei se me faço entender), mas a lei funciona quando é para o bem da humanidade, tendo como ponto de vista sempre o homem no seu estado presente e no seu estado futuro. É certo que por vezes (raras) o bem da humanidade passa por desiludir quase a humanidade inteira, porém deve ser assim.
A lei deve ser usada, ela é necessária, mas tem de ser usada em virtude do Homem, para o seu bem, nunca se faça a justiça pela própria letra com o intuito de favorecer homens em vez da Humanidade.

(1) Marcos 2:27

sábado, setembro 29, 2007

O Aprisionamento

Não sei dizer se o que vou dizer é história ou estória, mas vale pela aplicação.
Diz-se que nos primórdios da fotografia, haviam algumas pessoas que julgavam que a alma ficava aprisionada na fotografia, como tal a máquina fotográfica ficou com uma conotação negativa para essas pessoas. Sabemos obviamente que as fotografias não aprisionam almas, acontece que hoje em dia existem realmente máquinas de aprisionar que derivaram da fotografia, estou a falar da televisão, cinema, videojogos, entre outros. Na verdade se estes utensílios não forem bem utilizados acabam por aprisionar pessoas como têm aprisionado algumas, cabe a nós pensarmos até que ponto determinada coisa é útil e ter a sensibilidade de nos afastarmos de coisas que começam a nos roubar o tempo, que nos fazem alhear de pensar nas questões chave da vida, que nos fazem ficar estúpidos.


terça-feira, setembro 25, 2007

Reconsiderando o Considerado

Apresento um novo blog no qual eu participo, aproveitem.

sexta-feira, setembro 14, 2007

O Sol e a Lama

"Dois homens olharam através das grades da prisão; um viu lama, outro viu estrelas."
Agostinho de Hipona

Tomando como ponto de partida a frase de Agostinho de Hipona, começo a pensar na realidade não em duas pessoas, mas em dois tipos de pessoas, como com certeza era objectivo do autor. Uns dizem que a vida é um lixo, outros dizem que a vida é bela, na verdade ambos estão certos, não se trata de um paradoxo, eles não se referem à vida no seu sentido geral, mas sim à vida que eles têm. Desta forma estão ambos certos, tendo em conta que vivam dessa forma.
Eu creio que a vida não passe muitas vezes de uma prisão, ou melhor este estágio da vida ao qual chamamos vida, muitas vezes não passe de uma prisão. O belo e o lixo depende de para onde olhamos, para quem olha para o lado de dentro só vê lama, mas quem olha para o lado de fora vê estrelas, isto caso esteja noite. É neste sentido que a visão niilista do mundo é particularmente verdade, mas apenas para a pessoa com a sua visão materialista, a qual só vê lixo e a sua esperança é nula, mas para quem vê as estrelas a vida é boa, bela e bonita.
A vida terrena é apenas um estágio, todos nascemos na prisão, uns chafurdam na lama, outros contemplam as estrelas.
Não se trata de ver o lado positivo das coisas, trata-se de viver a vida no seu plano, porque todas as coisas são boas, ou então, nenhuma coisa é má, é o mesmo (não a expressão em si mas a ideia). Os malefícios da vida são o uso inapropriado da boa vida, desta forma conserve a sua vida olhando o céu e estará no plano, se acha que não há plano, tudo bem (ainda que muito mal), mas por favor, compreenda que o que mais queremos saber não é o sabor que a lama tem, contudo estamos na mesma cela e no que depender de mim posso lhe dizer que o céu está muito belo e que em breve o Sol vai raiar.



quarta-feira, setembro 05, 2007

Centena

Associamos ao número 100 um significado característico, é um número redondo, achamos apropriado celebrá-lo. Os centenários geralmente são todos celebrados de uma forma especial, mais especial que o número 99 ou 101, o 100 tem um significado especial. A razão é meramente cultural. Bem mas para quê esta introdução? Simplesmente porque também eu achei agradável celebrar o post número 100. Foram muitos comentários, algum tempo a pensar, algum tempo a repensar, algum tempo a escrever, etc.
Dou graças a Deus por tudo o que escrevi e tudo o que aprendi ao escrever para outros, é uma experiência interessantíssima, é impossível calcular os efeitos de 100 posts, só sei que para mim tem sido muito bom.
Quem sabe, se Deus quiser e eu também, no post 200 farei outro post deste género. Até lá continuarei contra toda a impiedade, contra toda a idolatria, contra toda a falsidade, contra toda a teoria contrária ao conhecimento de Cristo, contra os idealismos pós-modernos, contra todas as aberrações filosóficas, contra toda a fonte humana e/ou diabólica que contamina mais este mundo, manifestando a única Verdade, os fundamentos inabaláveis, no nome de Jesus Cristo, o grande Eu Sou.

sábado, setembro 01, 2007

Insectos, Vírus e Bactérias

(...)
Rogério: Então nesse caso estás a dizer que o teu Deus, também criou bactérias, vírus e insectos. Então Ele é o responsável pelas doenças de todo o mundo!
Mário: Se criou tudo obviamente que também criou as bactérias, os vírus e os insectos.
(...)


Relato do Génesis
O Relato do Génesis acerca da criação, por incrível que pareça, não faz menção a nenhum dos seres mencionados pelo Rogério. Porém sabemos que a única pessoa que pode criar, no sentido de originar, é Deus. Como tal Deus realmente criou insectos, vírus e bactérias, mas não os criou no início do mundo, Ele criou tudo perfeito, como Ele é.

Origem dos Insectos, Vírus e Bactérias
A meu ver, o que vou dizer não está literalmente escrito na Bíblia, todos esses seres surgiram como consequência do pecado, para que se cumprissem as palavras de Deus "certamente morrereis". "Espinhos, e cardos também, te produzirá;" e com os espinhos e os cardos, possivelmente vieram também os insectos, as bactérias e os vírus.

Os Benefícios Destes Seres
Existem evidentemente alguns benefícios a respeito dos insectos por exemplo, produzem ceda, mel, laca, seda, etc, para lá de que alguns ajudam na composição. Mas o que é que isto quer dizer? Não tenho dúvida que se Deus quisesse exterminar o mundo faria um dilúvio, o caso não é esse, é como que a lembrar o pecado, moer o Homem e a muitos provocar a morte. Se estes "bichos" não são completamente maus, ou têm algumas coisas, as quais o ser humano tornou em bom, graças a Deus, nem tudo é mau.

segunda-feira, agosto 20, 2007

Resiste e Vencerás, Sacia e Perderás.

Quando alguém tem falta de alguma coisa, uma vez a tendo, tenta de alguma maneira recuperar a falta dessa coisa, com o seu uso excessivo. Como por exemplo, alguém que tem muita sede, ou melhor, tem muita falta de água, ao encontrar água, ou até um outro liquido, abusa desse mesmo liquido, mais do que beberia no seu estado normal, muito mais. Acontece com a sede, com a fome, com a saudade, etc.

Por experiência, reconheço que quanto mais tempo se fica com a falta de algo, mais loucamente se reage face à utilização dessa coisa uma vez encontrada. A indústria cinematográfica, particularmente, tem explorado bastante esta ideia, na qual pessoas se matam por comida, medicamentos, pessoas.

Onde quero chegar é que a falta, tem um efeito interessantíssimo, especialmente no ser humano. Mas atenção, a falta de algo que já se teve.
Ainda se pode observar, que esta ânsia por satisfazer a falta, não dura muito tempo, porque acaba com a morte do desejo. A pessoa faminta acaba por morrer, o vingador acaba por desistir, o amante acaba por desanimar, o detective pára de procurar.
Em resumo, a procura morre com o desejo.

Se saciarmos a sede, ela desaparece por um pouco, mas volta. Muitas vezes combater a falta é ficar escravizado por ela. Existem muitas coisas que devemos deixar de alimentar e de procurar, na verdade vamos passar fome delas, mas ficaremos libertos delas também.
A interpretação fica com o leitor, mas permita-me abordar um outro ponto. Para um viciado em droga, ficar livre, ele não precisa de suplementos para enganar o desejo, isso acaba por ser alimentar o desejo, assim o vício nunca desaparecerá, a resistência até à "morte" é a única maneira de vencer.

Por último deixe-me esclarecer a dependência lícita e a ilícita, porque existe o desejo lícito e o desejo ilícito. Uma vez disse a certa pessoa para ela largar o vício do tabaco, essa pessoa disse que eu era viciado em comida. Ora desejar comida em medida e comer regularmente, não é nem um desejo ilícito (porque faz bem à saúde), nem um vício (porque sem ela não posso viver). Uma dependência envolve um aprisionamento a uma coisa da qual não depende a minha vida.

terça-feira, agosto 07, 2007

Descanso

A Bíblia relata que Deus depois de ter criado o mundo descansou. Ora não acredito que Deus se canse ou sofra desgaste, como tal não me parece que Deus precise de descansar no sentido de restabelecer forças. Todavia a Palavra de Deus demonstra tantas vezes a sua inspiração Divina, mostrando aparentes contradições, mas que servem mesmo para esconder verdades fantásticas. É impressionante que o Génesis comece a relatar o poder Criador de Deus e depois diga que ele está condicionado ao cansaço! Não faz sentido, diz o "olhar superficial". Porém aí o que se quer dizer é alguma outra coisa.

O Cansaço e o Descanso

Existem pessoas, que dizem: "Deus descansou, porque não eu?". Bem, o descanso é algo muito necessário, e Deus aliás queria é que nem nos cansássemos. Se repararmos, o cansaço parece-me uma consequência do pecado: "No suor do teu rosto comerás o teu pão". Creio firmemente que Deus criou o homem imune ao cansaço, como Ele mesmo era.
Acredito que se quisermos descansar, fazemos bem e Deus apoia, só acho que não é porque Deus tenha ou não feito a mesma coisa, mas sim porque precisamos.

O Descanso Divino

Algumas pessoas podem dizer que este descanso era o acto de observar e contemplar o que tinha criado. Não quero fazer qualquer tipo de dogma, e se esta ideia lhe é útil eu acho que deve considerá-la. A mim porém não é, mas posso vir a mudar de ideias, de qualquer forma a minha salvação não depende desta questão!
Se o descanso de Deus está associado à contemplação, a Bíblia deveria dizer que Deus descansou após cada dia, uma vez que contemplou e viu que era bom. Continuo a achar que este descanso esconde algo fantástico.

"E abençoou Deus o dia sétimo, e o santificou; porque nele descansou de toda a sua obra que Deus criara e fizera." Gen 2:3

Deus abençoou e santificou o dia em que descansou. Este dia ficou tão importante, ao ponto deste dia se tornar o dia por excelência para o louvor a Deus, tanto que algumas outras práticas deveriam ser cessadas. Parece-me o que o dia do sábado é aquele em que Deus, recebeu louvor pela sua criação, louvor tanto da parte de anjos como da própria criação "terrena". Como tal me parece que o descanso de Deus seja o tempo onde realmente Ele parou, não por cansaço mas por vontade de ver a sua criação em acção e em acção louvando o seu nome. Tanto que esse dia ficou separado para a função de louvor a Deus.

Guardaremos o Sábado?

Nós não sabemos o dia da semana em que Deus realmente descansou, até podia ser uma quarta-feira! O importante é haver um dia da semana, o qual separamos especialmente para Deus. Os Cristãos primitivos escolheram o Domingo, como celebração da ressurreição (que foi no primeiro dia da semana) e como celebração também da descida do Espírito Santo (que também foi no primeiro dia da semana).
Se quiser guardar todos os dias da semana para louvar a Deus, é livre para isso! E isso é bom! Mas não obrigue ninguém a guardar o mesmo dia que aquele que você guarda. O Apostolo Paulo diz: "ninguém vos julgue pela guarda dos dias".

Descanse, não porque Deus descansou, mas porque você precisa.

sábado, julho 28, 2007

C.S. Lewis e Antony Flew

Ambos foram ateus, ambos deixaram de o ser. C.S. Lewis era professor de literatura medieval e renascentista, Antony Flew era professor e filosofo. Ambos por vários anos defenderam o ateísmo, acontece que a dada altura substituíram uma fé que não conseguíam sustentar, pela evidência da existência de Deus.
C.S. Lewis ficou impotente diante da moralidade presente em cada ser humano, concluiu que existia alguém que queria que agíssemos de uma maneira e não de outra. Flew confessou que as teorias ateístas sobre a origem da vida e da reprodução geravam demasiadas perguntas em vez de respostas, concluiu que só Deus podia gerar a vida. Assumiu que a ideia de algo inorgânico vir a se tornar um ser de alta complexidade é um absurdo.
Flew e Lewis são apenas exemplos célebres, em todo o mundo muitas pessoas têm renunciado ao orgulho e assumido que realmente Deus existe.

segunda-feira, julho 16, 2007

Jesus é Deus

Ele existiu, duvidar da sua existência é querer deixar em oculto toda a história antiga, uma vez que Ele é a pessoa mais documentada do mundo antigo, tanto por crentes, como por cépticos. Morreu e ressuscitou, provou que era Deus, mostrando o domínio sobre a morte, comprovou que a sua atitude e os seus ditos eram de um Deus pessoal que se fez Homem. Está aberto o campo da fé, para crer nele como único e suficiente Salvador ou como Impostor. Ou Deus ou Louco. Ele não deixou mais nenhuma hipótese de escolha, como disse C.S. Lewis. Era intolerável um grande mestre de moral, dizer-se Filho de Deus e perdoar pecados, ora com que direito alguém que eu nem conheço diz que os pecados de quem pecou contra mim estão perdoados, caso não seja Deus?
Considere-o louco e loucos os que o seguem, ou então "ajoelhe-se e chame-o de Senhor e Deus" e irmãos aos que o seguem. Contudo fique lembrado que dará contas da sua decisão e a sua eternidade está dependente disso. Se não o quiser, Ele não o quererá, por outro lado, se o desejar, Ele já está aí ao seu lado.

quarta-feira, julho 04, 2007

Mudança

Ouvimos falar muito de mudanças, principalmente em relação ao ser humano, mudança em relação à atitude ambiental, mudança em relação a determinadas leis, mudanças de comportamentos, etc.
Acredito que muitas das mudanças que o ser humano quer fazer são úteis, por outro lado também sei que nunca terão sucesso da forma que as querem implementar.

Uma verdadeira mudança é de dentro para fora e não de fora para dentro como tentaram alguns regimes totalitários. Essa mudança verdadeira muda tudo ao redor, a mudança totalitária muda tudo ao redor menos o coração de cada um, por isso não é nada que possa fazer alguém feliz, apenas cria revolta.
Um mau coração torna tudo à sua volta em algo mau, mesmo que tudo seja bom, um coração bom torna tudo à sua volta em algo bom, mesmo que tudo seja mau. Como tal para uma humanidade melhor precisamos de bons corações.

Se queres mudar o mundo, tens de começar a mudar-te a ti mesmo, esse é o rumo a seguir, o que está à tua volta mudará instantaneamente, os teus gostos, a tua maneira de ser, etc. Uma mudança interior mudará tudo aquilo a que estás de alguma maneira ligado, não me estou a referir às pessoas que te rodeiam, elas podem mudar ou não, mas será mais fácil elas mudarem se tu mudares primeiro.

A mudança a que me refiro é a única que te pode mudar completamente, porque é aquela que exige uma entrega total. Entrega total, mudança total; entrega parcial, mudança parcial. Se mudares a tua maneira de pensar será bom mas não é suficiente, tens de mudar o rumo do teu coração, uma mudança que transforme os gostos, não pode ser pela força intelectual, não seria uma mudança genuína, seria como uma pessoa que decide fazer uma dieta e está numa constante luta entre o que quer e o que pode querer. Uma mudança deste género não é total, é preciso mudar o gosto, a vontade. Mas para mudar o gosto e a vontade, isso é impossível ao ser humano, precisamente por este facto de ser impossível ninguém se pode gloriar desta mudança e também nem sequer importa o estado em que tu estás, não serás tu a mudar-te, mudar-te-ão a ti. Se aceitares esta mudança, não te vais transformar numa boa pessoa, vais te transformar numa nova pessoa, porque tudo vai mudar em ti, começando desde o mais íntimo que há em ti até àquilo que te rodeia.
Vem mudar, não venhas como deves ser, nem como deverias ter sido, vem tal e qual como és, mostra que precisas de mudar.

Apenas esta mudança pode mudar o mundo, porque é a única que transforma completamente. Esta transformação é tão poderosa porque é feita por Deus, podes ser mudado pedindo para Ele te transformar, aconteceu comigo e com milhões porque é que não pode acontecer contigo? Só não muda quem não quer mudar, quem acha que é bom o suficiente e se achas que és bom o suficiente porque é que ainda não mudaste o mundo?

domingo, julho 01, 2007

Problemas do Humanismo Secular

O Humanismo Secular é uma maneira de ver o mundo que assenta em princípios não empíricos, embora esta ideologia se considere apologista da razão e do método científico. Vou passar a transcrever alguns princípios do Humanismo secular seguidos de um comentário.

"o facto de desconhecermos qual a explicação para um fenómeno, não significa que esse seja um fenómeno sobrenatural. Significa simplesmente que estamos perante algo que merece a nossa investigação."

O Humanismo Secular faz um descrédito antecipado de fenómenos sobrenaturais, impressionante que não sabendo qualquer explicação para o acontecimento, os humanistas estão prontos a rejeitar a priori uma explicação sobrenatural, alimentando uma visão cega e não uma visão sábia, a visão sabia seria partir em aberto a qualquer explicação e não ser altamente céptico a tudo o que seja contrario à sua ideia de partida. Com uma ideia definida à partida as conclusões serão sempre derivadas da da ideia de partida, logo os resultados nunca serão autênticos.

"O Homem é um ser constituído por matéria e é produto da Natureza. A consciência do homem está ligada aos mecanismos da sua mente."


Para o Humanismo a diferença entre Hitler e Madre Teresa de Calcutá, é apenas produto da natureza, com esta maneira de pensar porquê punir alguém num tribunal? Afinal tratam-se de reacções incontroladas, o reconhecimento de bem e mal é derivado de mecanismos da nossa mente que evoluiram com o tempo. Eu pergunto, como podem saber isso? Segundo a mesma teoria a sua própria teoria não passa de um rumo da natureza.

"Dado que racionalmente não é possível provar a existência ou inexistência de um Deus, os Humanistas são geralmente Agnósticos ou Ateus."

Como pudemos constatar, o H.S. baseia-se em fundamentos não provados, nem explicados dos quais, a impossibilidade da explicação da existência de Deus, recusando assim a priori a discussão e o debate sobre este tema. Mais curioso ainda é que, devido ao facto de (segundo o H.S.) ser impossível provar a existência ou inexistência de Deus os Humanistas são geralmente ateus! agnósticos eu ainda "percebo", mas ateus? Segundo uma ideologia que diz que é impossível provar a inexistência de Deus, ter ateus... Só prova que alimentam uma fé cega e uma vontade impressionante de fugir da realidade Divina.

Abordei apenas alguns princípios, e não significa que todos os princípios do Humanismo secular sejam problemáticos. Quero porém deixar claro que o Humanismo é uma fuga a Deus, isenta da racionalidade que tanto defendem.

segunda-feira, junho 25, 2007

Duas Naturezas

Maria é a mãe de Jesus
Jesus é Deus
Logo Maria é mãe de Deus


Seguindo este simples silogismo ficaríamos com uma ideia errada acerca de Jesus e da Bíblia, as premissas são apenas retiradas da Bíblia o argumento está bem construído, afinal qual é o problema?
O Problema é que Jesus tem duas naturezas, a Divina e a humana. Maria é a mãe de Jesus homem, porém não de Jesus Deus o qual existe desde o "princípio", logo seria impossível Maria ser mãe de alguém que já existia antes desta nascer.
Jesus tem duas naturezas, Maria é apenas a mãe física de Jesus homem, a mulher escolhida para Jesus vir à terra. O problema do silogismo é que mistura duas naturezas, Jesus é apenas uma pessoa, porém com duas naturezas, Ele é o filho de Deus e ao mesmo tempo filho do Homem, ora Deus é homem? Não, o que isto significa é que Jesus tem duas naturezas. Talvez estes versículos:

"Que, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus, Mas esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens;" Filipenses 2: 6 e 7

É difícil de entender, para nós que só temos natureza humana, porém não se trata de algo ilógico, vejamos então desta forma:

Maria é (foi) a mãe de Jesus homem
Jesus é o filho de Deus
Logo, Jesus tem duas naturezas

terça-feira, junho 19, 2007

Influência

É incrível o estado a que um ser humano pode chegar, a um estado completo de degradação, a ponto de se tornar assassino, adúltero, traidor, pedófilo, suicida, entre todos os outros nomes relativos a acções degradantes. É demasiado mau para se compreender, porém é inevitável fazer a pergunta, como alguém chega a este estado?
Estou consciente que as personalidades não surgem do nada, como qualquer outra coisa, por vezes os maus tratos na infância, crescer sem educadores ou sem atenção dos mesmos, perder um familiar numa altura específica da vida, traumas, infelicidade, solidão, desprezo por parte da sociedade em geral, um sei lá de coisas que não desculpam, mas ajudam-nos a perceber muitas vezes o porquê de determinadas acções.
Se pensarmos num problema de alguém e recuarmos uma geração, a influência será imaginemos, de um pai, por outro lado este pai, esteve na guerra e o seu consciente ficou alterado, por conseguinte esta guerra surgiu devido a influência de duas pessoas, as quais negligenciaram os seus ensinos devido àquilo que a vida foi para eles, o que os levou a tomar medidas que não fariam se não passassem pelo que passaram, e assim poderíamos ir, indefinidamente, chegaríamos então a um Adão que diz que a culpa foi da Eva, a uma Eva que diz que a culpa foi da serpente, a uma serpente que não diz nada porque também nada lhe foi perguntado e também porque não tinha nada a dizer porquanto todo o mal surgiu a partir desta.
Todo o mal é devido a este agente, directamente ou indirectamente. Perguntamos: portanto o mal não é devido às pessoas? Não. As pessoas fazem as coisas, poderiam não as fazer, ainda que aliciadas para tal, como por exemplo Eva, por outro lado Eva deu do fruto a Adão sem qualquer influência directa da serpente, tal como Adão a comeu sem qualquer influência directa da serpente. O mal existe devido a uma influência directa e indirecta do Diabo, pessoas em estado caótico são causa de sua permissividade face a influências directas ou indirectas por parte de demónios.
Quando alguém está num estado caótico essa pessoa não deve ser discriminada porque fez isto ou aquilo, por ser este ou aquele, as pessoas são assim devido a influências, estas pessoas são falíveis, todos nós o somos, mas o mal praticado é devido à influência, a nossa natureza pecaminosa já por si é uma influência indirecta que descende desde Eva.
Daí não está em causa o grau de maldade alguma vez feita por um ser humano, o amor de Deus é e será para com este,o ódio de Deus é e será para com o Diabo e os seus demónios sempre.

quarta-feira, junho 13, 2007

Super-Heróis

Ao olhar para algumas bandas desenhadas, filmes, séries e até desenhos animados é engraçado encontrar super-heróis, aqueles que salvam pessoas e muitas vezes o mundo inteiro no último segundo por serem homens ou mulheres com algum poder, ou por terem alguma capacidade mais desenvolvida.
Sem dúvida isto revela alguma coisa, revela no mínimo que a temática dá dinheiro, se dá dinheiro então é porque as pessoas gostam, é uma opção a ver o noticiário, onde geralmente os vilões vencem sempre e pessoas morrem constantemente. O que as pessoas querem e eu também, é a paz, porém muitos de nós não o conseguindo ficamos pela esperança de um super-herói, ou de um médico sobredotado, para nos livrar de alguns dos nossos problemas, ou até talvez toda esta história de super-heróis, para alguns simplesmente seja um bom passatempo, ou então como disse à pouco uma alternativa ao mundo real.
Não tenho dúvida nenhuma que existem muitas pessoas sem paz que têm vivido a vida à espera de um super-herói, têm até colocado a sua confiança nesse "herói", seja ele um político, um filósofo, um santo, até mesmo em Deus como salvador, mas salvador circunstancial, vivendo a vida a seu belo prazer, sem paz, porém no aperto da vida, Deus é o nome por quem chama, não sei se por influência do estereotipo de herói, o qual salva pessoas e nunca revela a sua identidade, um super-herói sempre lá porém com o qual não venha a existir relacionamento.
Só posso constatar que grande parte da Humanidade, vê em Deus um super-herói, daí até muitos nem acreditem nele, mas Deus não é um super-herói. Enquanto não se entender isto, nunca haverá paz pessoal, ainda que sejamos muito religiosos, seremos apenas fãs de super-heróis, enquanto deveríamos ser, porque este é o propósito para a vida, filhos de Deus. O filho, não colecciona t-shirts, autocolantes, estátuas e jogos de computador do seu Pai, ele tem algo muito melhor, um relacionamento. No último momento não grita por socorro, tem algo melhor, o conselho prévio do seu pai.

quarta-feira, junho 06, 2007

Os media no tocante ao Divino

Os media como parte integrante e modeladora da sociedade obviamente transparecem a sociedade, ou no mínimo algo da sociedade, seja no tocante a que tema for, neste post gostaria de deixar uma reflexão sobre os media e a sua relação com o Divino.

Os media são um mercado, se pensarmos que estes são apenas servidores do consumidor é falso, existe toda uma mercantilização, especialmente na televisão. Os media mostram o que lhes trás conveniência, infelizmente. se possível diriam até mentiras e às vezes dizem, talvez só não digam mais para não perderem "clientes". Desta maneira podemos encontrar os media numa linguagem de conveniência ainda que esta se contradiga, não é de admirar, o carácter principal é agradar a quem vê, porém agradar nem sempre é fazer o correcto. É muito fácil encontrar linguagem dupla nos media, tal como linguagem de conveniência, um exemplo de conveniência:
Todos sabemos o que aconteceu com a menina de nacionalidade britânica, Madeline, foi e é uma situação muito triste e embora os media pudessem ajudar com a sua cobertura, não passou porém de conveniência, o exemplo disso são as outras crianças que desaparecem em Portugal, todas as que estão a morrer à fome, todas as que são maltratadas pelos pais, etc, que não são retratadas.

No que diz respeito a Deus, religião, etc, trata-se apenas de conveniência e mercantilização, infelizmente. São poucos os casos, e apenas acontece quando feito por terceiros, em que a abordagem do Divino não é feita numa linguagem de conveniência, porém já a cedência é uma estratégia para angariar mais audiências ou leitores.
Quero abordar três exemplos:

"Código de Da Vinci" VS Fraude do "Código de Da Vinci" : É engraçado que os media no recente lançamento do livro de Dan Brown, apoiaram até a ideia e quiseram até deixar em aberto toda a controvérsia, quando estava a deixar de vender então fizeram alguma coisa para demonstrar que era falso e continuaram a vender.

Islamismo e Terrorismo: O que tenho assistido nos media foi que só se passou a falar de Islamismo (com algum destaque) após acontecimentos terroristas, especialmente o 11 de Setembro. E é interessante também que a abordagem ao Islamismo só aconteceu por causa do Terrorismo, assim todo o noticiário e até documentários não passam de estratégias (salvo excepções).

Cristianismo e Catolicismo: Principalmente na televisão Portuguesa, Cristianismo é sinónimo de Catolicismo. Porquê? Conveniência! Quando alguém é convidado para falar da Bíblia, do Natal, da Páscoa, de Jesus, etc, quem é convidado é um Padre, porque não é um ministro de outra denominação? Conveniência. Uma vez que existem muito mais católicos (praticantes ou não) que todas as outras denominações juntas dar abertura a outros para falar que não católicos era pôr em causa muitas audiências.

quinta-feira, maio 31, 2007

O Projecto Inteligente é Ciência

Tem existido um, de vários clamores, por parte do ateísmo em relação ao Projecto Inteligente que diz que este não pode ser considerado ciência. Com este argumento falacioso poderia ser descartada a ideia do Desenho Inteligente sem sequer saber no que se baseia, avaliemos a afirmação então.
A ciência é uma busca pelas causas, existem causas inteligentes e causas naturais. Porém a definição tendenciosa por parte de alguns darwinistas é tendenciosa, ela rejeita à partida causas inteligentes. O paradigma reside em que os darwinsitas não rejeitam a arqueologia, a ciência criminal, entre outras. A questão do Projecto Inteligente não ser ciência é apenas uma desculpa. O Projecto Inteligente também utiliza o método científico e está pronta a ser refutada se surgir algo que possa refutar. A ciência das origens está aberta a descobrir causas inteligentes, a predefinição discriminadora usada por alguns darwinistas é que não é ciência, afinal foi decretada por uma forma inteligente...
As portas fechadas a Deus por uma pseudo-ciência são apenas devido a uma visão naturalista das cosias e não porque isso tenha sido descoberto.

domingo, maio 27, 2007

O Inferno

A Bíblia é explícita em dizer que existe Inferno. É também explícita em dizer que foi criado para o diabo e os demónios.

Então dirá também aos que estiverem à sua esquerda: Apartai-vos de mim, malditos, para o fogo eterno, preparado para o diabo e seus anjos; Mat 25:41

Ao lermos este versículo e também os que o antecedem entendemos que o Inferno também vai ser (uma vez que Jesus está a ter um relato profético) um local para onde irão humanos. E assim surge uma espécie de duelo ético, no sentido em que um Deus sobremaneira bondoso, coloca parte da sua criação, que ama / amava num local horrível.

Diabo e seus anjos
Esta espécie de criaturas não têm perdão, foram traidores. Criaturas cujas capacidades lhe conferem mais responsabilidade, no sentido de que estes não têm perdão ao pecarem.

Porque, se Deus não perdoou aos anjos que pecaram... 2Pe 2:4

É notório que para estes foi unicamente o Inferno preparado.

Humanos
O ser humano não é uma criatura angélica, e em toda a Bíblia está manifesto que Deus não quer que este vá para o Inferno, aliás, nem sequer o Inferno foi criado para o Homem como pudemos ver. Por outro lado existem pessoas que vão para o Inferno.

Dize-lhes: Vivo eu, diz o Senhor Deus, que não tenho prazer na morte do ímpio, mas em que o ímpio se converta do seu caminho, e viva.... Eze 33:11

É manifesto que Deus quer que os seres que criou, que têm hipótese de reconciliação, vivam e vivam eternamente com Ele.
O facto de Deus mandar alguém para o Inferno é unicamente um favor, concedendo àqueles que na terra não quiseram a Deus, que assim vivam para todo o sempre, é também verdade que enquanto o ser humano vive, Deus quer que este aceite o dom da vida eterna e o perdão dos pecados que Ele tem para oferecer.

Deus é Amor e quer fazer da vida de cada um, uma vida com sentido, o Inferno não é para o ser humano, ir para lá significa ser enganado por aquele que já tem a sentença ditada, felizmente o perdão ainda é real.

sexta-feira, maio 25, 2007

A Origem do Mal 2

O Fim do Mal
Segundo toda a lógica do post anterior, o mal só pode deixar de existir por duas maneiras, ou o bem deixa de existir, ou então todas as criaturas racionais passarão apenas a tomar decisões conforme devem ser tomadas (atenção, não exige o fim do livre-arbítrio).

Predominância do Bem
Por outro lado uma solução plausível para acabar com o mal é colocá-lo numa "quarentena" infinita, para assim predominar o bem num local distinto.

A favor colocar os comentários deste e do post anterior na secção destinada a este post.

quarta-feira, maio 23, 2007

A Origem do Mal

O que é o Mal
o antónimo de bem, nocivo, prejudicial, etc.

O Mal é precisamente ausência de Bem. A escuridão é ausência de luz, frio é ausência de calor, mal é ausência de Bem. O texto que passo a transcrever dá uma ideia muito boa do que quero dizer.

"O mal não é um ser ou uma coisa. Não é concreto mas abstrato. Portanto, não é uma criatura ou uma criação. O mal é uma característica ou estado de um ser, coisa ou facto. É como um apêndice que precisa de um suporte. O "mal" é um título que damos para algo mau. Se eliminarmos o "algo", não sobrará nenhum mal, pois este está condicionado à existência do seu portador ou hospedeiro."

O mal é sempre um parasita, não existe por si só. O mal existe mediante um acontecimento contrário ao que foi projectado para proporcionar o bem. A título de exemplo, comer é uma coisa boa, porém se esta acção for feita da forma contrária à qual foi determinada , torna-se algo mau.
Assim se alguém pode ser responsável pelo mal é quem arbitrariamente decide rejeitar o bem e o que este implica.

Conclusões
O mal é algo que não é criado, o mal está dependente do bem para existir. Existe mediante a existência do bem, o bem pode transformar-se em mal, mediante o seu mau "uso". Logo se o mal não é criado nem Deus nem Satanás o criaram.
Um certo pensamento moderno tem pendido para a ideia de que nem bem nem mal existe, acho que não é difícil perceber ao olhar para o mundo, que existem coisas más e coisas boas, aliás parece-me até que é uma ideia inata.

Bíblia
A Bíblia claramente diz que Deus é bom e nele não há mal, que não consegue conviver com o mal, etc. Por outro lado aparece um versículo na Bíblia aparentemente contraditório, vejamos o que diz:

Eu formo a luz, e crio as trevas; eu faço a paz, e crio o mal; eu, o Senhor, faço todas estas coisas.
Isa 45:7


Segundo o texto hebraico original o que este trecho significa é que Deus castiga, e não que Deus realmente tenha criado o mal, tanto mais que este "crio o mal" vem por oposição a "faço a paz" e não em oposição de bem.


este post está interdito a comentários, para comentar, é favor comentar na parte 2 deste post

sexta-feira, maio 18, 2007

Afinal sabemos quem somos?

Ao ler algumas estatísticas relativas À taxa de suicídio e para-suicídio em Portugal, verifiquei que em primeiro lugar e infelizmente, que a taxa está a subir, depois também reparei que se acentua muito mais à medida que a idade avança, sendo que os mais jovens suicidam-se menos que os mais velhos.
É catastrófico alguém chegar a este ponto, o desespero, a falta de propósitos para a vida, a infelicidade. Um mundo que tem experimentado tudo e que tem tido cada vez mais coisas, está cada vez mais farto de tudo. A busca incessante por prazeres momentâneos e coisas novas, não fez com que o ser humano achasse o sentido da vida. E eu pergunto: "Sabemos que somos?".
O acesso à informação e ao conhecimento é cada vez maior, porém o mundo ainda não sabe quem é, com dúvidas de onde veio, sem certezas para onde vai, sem saber o que fazer aqui. O Homem tem buscado respostas dos mais variados tipos, mas será que alguma vez soube quem era? Tenho visto o mundo numa decadência moral e ética horrível. Os grandes objectivos do homem são angariar o maior número possível de posses, outros querem poder, outros contentam-se com a saúde, porém onde está a felicidade?
O ser humano sente que pode ser feliz, caso contrário não tentaria sê-lo, porém sem saber quem se é, não se pode ser feliz. Saber quem se é, é o ponto primordial para se descobrir o propósito para o qual fomos feitos.
Termino o post com uma resposta implícita nas palavras do ateu Bertrand Russell:
A menos que se admita a existência de Deus, a questão que se refere ao propósito para a vida não tem sentido.

segunda-feira, maio 14, 2007

Ateísmo condenado ao fracasso

Imaginemos uma sala cúbica mais ou menos do tamanho de um quarto comum. Se procurarmos um livro por esse quarto e o encontrarmos então concluímos obviamente que o livro existe, por outro lado se não o encontrarmos concluímos que o livro não existe.
Mas imaginemos agora se o tamanho desta sala for indefinidamente grande, ao encontrarmos o livro concluímos que ele existe, porém se o não encontrarmos, nunca poderemos concluir que ele não existe. Pode não existir, pode ser alguma coisa plausível de não existir, porém está longe de ser uma verdade confirmada.
Da mesma forma, quem tem provas de que Deus existe, pode afirmá-lo sem qualquer problema, é uma verdade confirmada. Mas, segundo todo o mesmo raciocínio, quem não tem provas da existência de Deus, não pode afirmar que Deus não existe, apenas se pode confortar com a sua vontade de ser ateu.
Nunca se pode provar a inexistência de alguma coisa quando não temos acesso à totalidade do espaço onde essa coisa pode ser inserida.
O que então constatamos no duelo, existência de Deus vs inexistência de Deus, são crentes mostrando as provas e ateus tentando aniquilar essas provas para ficarem condenados à inconvicção do que tentam aniquilar.
Porém nem a plausibilidade o ateísmo ganha para si, a crença na inexistência, como podemos ver, não pode ser provada, até porque o que tentam provar é exactamente que os argumentos a favor da existência de Deus estão errados e não que a sua ideia está certa. É neste sentido que em vez de analizarem factos e deles retirarem conclusões, os ateus partem da conclusão a priori da inexistência de Deus e repescam factos que devido a más interpretações e associações se tornam armas contra uma ideologia que por sinal usa os mesmos factos.
Uma teoria que tem a sua conclusão defenida antes de ser analisada, está obviamente condenada, uma vez que toda a pesquisa vai estar subordinada a uma conclusão em vez da conclusão estar subordinada à pesquisa.

quarta-feira, maio 09, 2007

Síndrome de Escrivão de Éfeso

Atos 19: 35 e 36
"Então o escrivão da cidade, tendo apaziguado a multidão, disse: Homens efésios, qual é o homem que não sabe que a cidade dos efésios é a guardadora do templo da grande deusa Diana, e da imagem que desceu de Júpiter? Ora, não podendo isto ser contraditado, convém que vos aplaqueis e nada façais temerariamente;"


Este senhor, escrivão da cidade de Éfeso, disse uma coisa que pode ser ouvida pela parte de outro ser humano, que estando errada, às vezes passa impune à correcção como se fosse uma grande verdade, todavia não passa de uma "calinada", como se diz no bom português. Não se trata de um erro de discurso, mas um erro lógico.
Como não se pode contradiar então é verdade, dizia ele! Vejam só, não se diz nada contra então é verdadeiro.
Vamos à analise detalhada.

A Atitude
Em primeiro lugar a atitude deste senhor é de medo de estar errado, parece-me a mim, não vos aconteceu que quando alguém está diante de um confronto às suas ideias e não está confiante, começa a dizer repetidamente a sua ideia sem qualquer fundamentação, e a dizer que não a tudo o que dizemos, e a fazer coisas piores alguns...enfim. Este senhor estava com medo de que aquilo que Paulo andava a pregar fosse verdade, a Ásia estava a ser atingida pelas grandes verdades de Deus através deste homem, portanto o escrivão nem queria ser abordado, mandou o bitaite e acabou por ali a grande discução que se estava a gerar, mas não provou que a sua frase era verdadeira.

As Evidências
De facto este senhor dizia que não podia ser contradito, mas ele nem sabia como defender a sua ideologia, como tal dizer que por não haver anda que contradie então está certa. Existia porém alguma prova?
Se eu disser que todos os acidentes de automóvel acontecem devido às pessoas estarem calçadas, porque em todos os acidentes elas estavam calçadas, seguidamente digo, isto é verdade uma vez que não pode ser contradito. Não faz sentido, as verdades devem ser evidenciadas por provas e não por vontade.

O Apelo
Quem é que não sabe, dizia ele num sentido retórico, quem é o homem que não sabe!? Este senhor está claramente a fazer o apelo do género "O rei vai nu" (história em que apenas os intilegentes conseguiam ver a roupa do rei). Está a dizer que quem não sabe isto não sabe uma cosia evidente, que por sinal não tinha evidencias. A defesa estóica desta tese, por parte deste senhor não passa de discurso, evidências..."pufft!"

Analogia
Alguém diz: "Ninguém provou que os extra-terrestres não existem, então existem", raciocinemos ao contrário'(e da maneira certa): "Ninguém provou que os extra-terrestres existem, então é absolutamente plausível pensar que não existem".
Que fique claro que o que se diz tem de ter provas, se não existirem é absurdo acreditar seja em teorias, histórias, mitos, boatos, etc. Argumentação do género, não existem provas contrárias então é verdadeiro, é falaciosa.

sexta-feira, maio 04, 2007

Saúl, 3 vidas ou má intrepretação?

No último post vimos que Deus não pode fazer coisas ilógicas, hoje vamos desmistificar uma suposta contradição Bíblica ou seja algo ilógico. Trata-se de saber como realmente morreu Saul, uma vez que aparentemente morreu de três maneiras diferentes, mas não, só morreu de uma maneira.
Vamos analisar os textos que têm esta aparência contundente:

I Samuel 31:4

"Então disse Saul ao seu pajem de armas: Arranca a tua espada, e atravessa-me com ela, para que porventura não venham estes incircuncisos, e me atravessem e escarneçam de mim. Porém o seu pajem de armas não quis, porque temia muito; então Saul tomou a espada, e se lançou sobre ela."

II Samuel 1 9 e 10
"Então ele me disse: Peço-te, arremessa-te sobre mim, e mata-me, porque angústias me têm cercado, pois toda a minha vida está ainda em mim.
Arremessei-me, pois, sobre ele, e o matei, porque bem sabia eu que não viveria depois da sua queda, e tomei a coroa que tinha na cabeça, e o bracelete que trazia no braço, e os trouxe aqui a meu senhor."


II Samuel 21:12
"Então foi Davi, e tomou os ossos de Saul, e os ossos de Jônatas seu filho, dos moradores de JabesGileade, os quais os furtaram da rua de Bete-Sã, onde os filisteus os tinham pendurado, quando feriram a Saul em Gilboa."

Pois é, parecem contradições, primeiro Saul suicida-se uma vez que o pagem não o quis matar, depois parece que foi morto por um amalequita o qual alega que Saul lhe pediu para que o matasse, ainda o último versículo aparenta que foi morto pelos Filisteus. Bem...Saúl era grande, mas só tinha uma vida, também é certo que não reencarnou, nem fingiu que morreu, então o que foi? Vamos a isso!
Não se sabe ao certo quem escreveu 1ª e 2ª de Samuel, porém sabemos que foram escritos por um mesmo autor, já que estes dois livros já foram apenas um. Como tal é improvável que uma mesma pessoa escreva a morte de uma pessoa de três maneiras distintas passemos à análise propriamente dita:

Morto por Filisteus?
Não, Saul não foi morto por Filisteus, o versiculo diz que feriram e penduraram, não diz que mataram, passo a explicar, Saul já estava morto porém o povo Filisteu cortou a cabeça a Saúl e pendurou o seu corpo num muro. "E cortaram-lhe a cabeça, e o despojaram das suas armas, e enviaram pela terra dos filisteus, em redor, a anunciá-lo no templo dos seus ídolos e entre o povo. E puseram as suas armas no templo de Astarote, e o seu corpo o afixaram no muro de Bete-Seã." I Samuel 31:9 e 10 Já antes Saul estava morto "Assim faleceu Saul, e seus três filhos, e o seu pajem de armas, e também todos os seus homens morreram juntamente naquele dia." I Samuel 31:6
Saul não foi morto por Filisteus é tudo uma questão de percepção, se eu disser que o individuo A retirou 100 euros ao individuo B todos acham o individuo A criminoso, mas se eu disser que ao Individuo A lhe foi roubada a quantida de 100 euros pelo individuo B, tudo muda. A Bíblia funciona de maneira parecida nestes casos.

Suicídio?
Sim. Explicitamente, dito pelo escritor e mais que uma vez na Bíblia, sem dúvida Saul suicidou-se. "Então disse Saul ao seu escudeiro: Arranca a tua espada, e atravessa-me com ela; para que porventura não venham estes incircuncisos e escarneçam de mim. Porém o seu escudeiro não quis, porque temia muito; então tomou Saul a espada, e se lançou sobre ela." I Crónicas 10:4

Morto pelo moço amalequita?
Não. Em primeiro lugar esta história foi não foi escr pelo escritor do livro. O escritor deste livro, inspirado por Deus, relatou a história que este moço contou a David. A Bíblia relata muitas mentiras ditas, inclusivamente pela serpente no paraíso, etc. No entanto não devem ser acreditadas. E aliás David ficou muito duvidoso no que diz respeito à história dita por esse moço, se alguém ler todo o capitulo repara isso muito bem.
Realmente este moço pregou uma mentira a David, ainda para mais é improvável que o pagem de Saul permitisse que alguém o matasse de forma tão descarada.

Um PS
Pela Bíblia dizer que Saul se suicidou, esta não defende isso, aliás se repararmos o comportamento de Saúl nem estava a ser conforme a vontade de Deus nestes seus últimos tempos de vida. As acções relatadas na Bíblia que devemos fazer são aquelas que Jesus fez ou que vão em conformidade com o escrito de forma explícita para o fazermos e o suícidio não se insere em nenhuma destas.

segunda-feira, abril 30, 2007

A questão não é o poder, é a lógica!

A questão que vou falar hoje é mais uma daquelas questões aparentemente complicadas, as quais algumas pessoas usam a seu favor para tentar arranjar alguma coisa que contradiga a Bíblia, também são questões que porventura podem surgir a qualquer pessoa, hoje vou explicar a essência desta pergunta.

Poderia Deus criar uma pedra tão pesada que nem Ele mesmo a pudesse levantar?

Esta questão é uma questão ilógica. Deus tem poder para fazer qualquer coisa, porém existem coisas que ele não vai fazer, como por exemplo mentir. A questão coloca um confronto, uma vez que se Deus criasse esta pedra haveria uma coisa que não teria poder para fazer, levantá-la. Por outro lado se não a criasse demonstraria aparentemente que não o podia fazer.
Vamos abordar tudo ponto por ponto.

Deus não faz nada que vá de encontro à sua essência
Deus nunca vai fazer o mal, nunca vai fazer com que Ele mesmo desapareça, etc. Deus tem poder para fazer tudo, porém o que vai contra a sua essência Ele não faz. O que é ilógico é contrário à essência de Deus, porque é contrário ao que Ele mesmo fez, a lógica. A mentira é contrária à essência de Deus porque Ele é a Verdade, Ele é Vida e criou a Vida, a morte é contrária à sua essência. Em resumo, sendo Deus perfeito, o que não é perfeito Deus não fará, uma vez que é contrário àquilo que Ele é.

A Bala e a Parede
Imaginem uma bala de canhão que tem tanta força que nada a pode parar, esta bala porém está prestes a embater com uma parede que não se destrói nem se move. O que acontece? Não acontece nada. Porque é ilógico, estas duas coisas não podem coexistir e nem Deus as poderia fazer coexistir, simplesmente porque Deus não faz coisas ilógicas. Deus poderia alterar a lógica do universo, mas simplesmente não o vai fazer. Para a bala ter o atríbuto de imparável não poderia existir uma parede com os atributos desta, era como se eu fosse mais alto que o leitor, todavia o leitor fosse mais alto do que eu. Isto sim é impossível, porque é ilógico. Também a "nossa" pergunta é ilógica, porque põe o infinito poder de Deus contra o próprio infinito poder de Deus.

A Resposta
A resposta é não, porque a pergunta é ilógica. Absolutos não se opõe, porque assim mesmo é a ordem de tudo. Deus é realmente o Deus do impossível, porém existem coisas que ele não pode fazer, mas não são coisas que envolvam muito poder, são simplesmente coisas que não podem existir. Círculos quadrados, cubos de 7 faces, balas imparáveis que se choquem, pedras tão pesadas que Ele não possa levantar, etc.

quinta-feira, abril 26, 2007

O mito da geração espontânea

Algures no século XIX, havia um mito, que dizia que surgiam uns bichos de forma espontânea na carne, houve porém um senhor chamado Louis Pasteur, que disse que isso não podia ser. Certo era uma coisa, os bichos apareciam, de forma espontânea ou não.
Então Pasteur decidiu pôr à prova esse mito da geração espontânea, e fez o seguinte, arranjou dois bocados de carne, um deles fechou em vácuo e outro deixou normalmente a "apanhar ar", depois foi investigar os pedaços de carne e viu que o que tinha ficado a "apanhar ar" tinha realmente bichos, mas o que ficou fechado em vácuo não tinha bichos.
Este senhor acabou por decretar uma lei científica, aquela que diz que apenas a vida pode dar origem à vida (lei biológica da biogénese).
Ah! Antes que me esqueça, os bichos afinal apareciam porque iam lá umas moscas e deixavam lá os seus ovos, e claro, como as moscas são vida, originaram vida.
Porém existiram e existem pessoas que acreditam que da não-vida, pode vir vida, porém se há coisa que não existe são provas para essa ideia, nos anos 50 do século XX surgiram as famosas experiências de Urey e Miller, que nada provaram apenas que para conseguir apenas uns aminoácidos é necessária inteligência. aliás o próprio Miller admitiu que a questão da origem da vida era muito mais complicada do que ele ou qualquer outro tinha pensado. Vejamos o que disse o Dr. Rosevear sobre Urey e Miller:

"Urey e Miller tiveram que assumir, ao contrário a todas as opiniões dos geólogos, que a Terra jovem não teve nenhum oxigénio em sua atmosfera. Isto é porque aminoácidos são destruídos através do oxigénio. Mas a ausência de oxigênio imputa ausência de ozónio, outra forma de oxigênio. Ozónio na nossa atmosfera protege-nos da alta energia dos raios ultravioletas do Sol. Ácidos Nucléicos são decompostos rapidamente através de luz UV. Uma dificuldade adicional para esses que postulam síntese abiogênica é que as moléculas formadas são destruídas pelas mesmas condições (como calor, irradiação UV e eletricidade) que as fazem."
(1)


Com o decorrer dos anos veio-se a descobrir que a célula é tudo menos simples, tem vários componentes que não existem por si só, mas como um todo, como tal ideia de que a célula veio agrupando estes componentes é falsa, uma vez que esta não poderia existir sem as contribuições destes, já que estes contribuem mutuamente para o prevalecer da célula. Isto é chamado de complexidade irredutível, nada funciona até tudo estar a funcionar. Mas considerando que porventura uma simples célula podesse relamente "aparecer", era mais provável ainda que uma mesma pessoa ganhasse a lotaria nacional todos os dias do século XXI (2).
Resumindo, ontem, hoje e amanhã, o aparecimento da vida por acaso ou de forma espontânea é um mito, na verdade Deus, criou a vida e criou-a com um propósito.


(1) David Rosevear, "O Mito da Evolução Química"
(2) Frank Sherwin, "The Ultimate Gamble", Acts and Facts, 33, 1, 2004

segunda-feira, abril 23, 2007

Relógio Fossilizado

Na escola lembro-me de me terem ensinado de que os fosseis demoram milhões de anos a se formarem, depois percebi que essa ideia era derivada de uma visão evolucionista, a qual dizia que a terra tinha muitos milhões de anos. Como nunca acreditei nessa história, simplesmente ignorei. Há uns dias atrás descobri um fossil que ninguém acredita que tem milhões de anos, quer dizer, penso que ninguém acredita, trata-se do mecanismo de um relógio, descoberto no ano de 1975. Se tivesse descoberto isto antes, bem que podia mostrá-lo à minha professora de ciências, que por sinal era uma pessoa altamente.



Clock in the Rock Reparem que a rocha tem uns vestigios de conhcas e tudo



Referência: http://www.answersingenesis.org/get-answers/features/clock-in-rock

quarta-feira, abril 18, 2007

Julgamento Insólito

Juiz: Senhor José Sousa, o senhor é acusado de assassinar a sua esposa. Isso é verdade?
Réu: Sim senhor Juiz.
Juiz: Nesse caso a sua sentença está declarada, 25 anos de prisão!
Réu: Senhor Juiz, eu não devo ser punido com essa pena.
Juiz: Porquê?
Réu: Foram apenas reacções químicas dentro de mim que me levaram a fazer isso, é o curso da natureza. Não existe isso de bem ou mal, não existem sequer valores morais, tudo isso aconteceu de forma natural.
Juiz: Quer você dizer que as nossas escolhas e o nosso sentido de bem ou mal é apenas o reagir às condições químicas e físicas do meio ambiente?
Réu: Exactamente!
Juiz: Muito bem, sendo assim a sua pena é de 25 anos de prisão!
Réu: O senhor não pode fazer isso!
Juiz: É apenas uma reacção química dentro de mim, não posso impedi-lo.

sábado, abril 07, 2007

Jesus Ressuscitou

Jesus Cristo é uma personagem que pode ser historicamente confiável, não só os seus discípulos escreveram sobre ele, também escreveram outros, dos quais por exemplo um dos maiores historiadores do século I, Flávio Josefo, que por sinal era judeu. Muitas provas se podem acrescentar acerca da historicidade de Jesus, mas esta é simplesmente muito boa.
Este Jesus Cristo, morreu e ressuscitou, os seus discípulos, desanimados voltaram às suas profissões, porém viram Jesus Cristo ressurrecto, depois tudo mudou, discípulos envergonhados e medrosos, tornaram-se verdadeiros mártires, e empenhados proclamadores desta grande notícia, inclusivamente Saulo, um dos maiores perseguidores destes discípulos, após ter visto Jesus Cristo, passou a ser um dos maiores cristãos de toda a História. Muitas provas se podem acrescentar acerca da historicidade da ressurreição de Cristo, mas esta é simplesmente muito boa.
Então de uma forma simples e sem comprometimentos filosóficos digo:
JESUS RESSUSCITOU!

quarta-feira, abril 04, 2007

Panteísmo, Politeísmo, Panenteísmo e Pandeísmo (alpha 1)

Intro
Neste post venho tentar demonstrar, recorrendo sobretudo à lógica *, que Deus não se enquadra com visões do mundo começadas por "P", nomeadamente o Panteísmo, o Politeísmo, o Panenteísmo e o Pandeísmo.
Antes de mais é de esclarecer o que significam estes conceitos:

Politeísmo - sistema religioso que admite muitos deuses
Panteísmo
- sistema filosófico segundo o qual Deus e o mundo constituem uma unidade e uma só substância
Panenteísmo - sistema filosófico segundo o qual Deus contém em sí tudo o que existe porém é maior do que tudo o que existe
Pandeísmo - sistema filosófico que admite que Deus precede do Universo sendo Ele o seu Criador


Que é Deus?
Deus, com "D" maiuscúlo é um ser ilimitado, infinito e perfeito. Como é que sabemos isto recorrendo apenas à lógica?
Em primeiro lugar não conseguimos imaginar nada que Deus não possa fazer, todos os nossos pensamentos de algo impossível, alegamos com certeza que Deus possa fazê-lo, Ele é a entidade mais alta alguma vez conhecida, não há nada que consigamos imaginar de maior do que Ele. Assim Deus torna-se ilimitado, uma vez que não conseguimos establecer algum limite para Ele. Além do mais não conseguimos entender a sua obra da Criação, é algo trasncendente.
Deus como infinito, superior a um universo em expansão
Deus como Criador porque a lógica, a ciência e a Bíblia nos demonstram que tudo o que é físico necessita de um criador, originador, causa, etc. Deus é o ser espiritual supremo, criador de todas as coisas.
Deus é perfeito, uma vez que criou tudo perfeito, esta é a lógica, porém perciso de recorrer à Bíblia para explicar o porquê das cosias tenderem ao caos.

Problemas fatais destas ideologias:
Politeísmo:
Não podem existir dois "Deus". Os atributos de máximo, de maior, de total, não podem existir a dobrar. "Infinito x 2" é alguma coisa de impossível. Não podemos duplicar o infiníto, o total, etc.
Não podem existir Deus + deuses. Pela mesma razão anterior, "Infinito + 2 + 3" é impossível. Não podemos acrescentar algo ao total, ao infinito, etc.
A essência de Deus não permite mais deuses ou outro Deus.

Panteísmo:
A criação não é o Criador. Imaginemos uma mãe que tem um filho, esse filho não é parte da mãe, ele é uma pessoa distinta, embora descenda da mãe. Deus enquanto Criador não se inseriu na criação embora a Sua impressão digital esteja patente.
Deus não é um ser físico, está para lá do físico, logo Deus não é uma árvore, não é um pássaro, nem sequer uma pessoa é um pouco de Deus. Deus é Espírito. Deus é Espírito, porque Ele mesmo criou o físico, logo não poderia ser físico antes de criar o físico
-Se consideramos o atributo de perfeito, então é impossível Deus ser os homens que criam as guerras, matam pessoas, etc. Se isso fosse possível Deus seria suicída e isso vai de encontro a qualquer defenição de perfeição.

Panenteísmo:
Como já vimos Deus não contém a sua criação, é exterior a ela.
Esta ideologia é uma mistura da visão teísta com a panteísta, por isso ela é correcta, basta apenas tirar aquilo que tem de panteísta.

Pandeísmo:
Estamos diante de uma contradição. Deus tem o atributo de ser superior ao universo uma vez que este é o seu criador, anterior a este obviamente, logo Deus não pode ter surgido quando surgiu o universo. Deus é anterior às suas criações. Sabemos que o universo não é eterno, teve um começo, por isso teve de ser iniciado por alguém existente anterior a este.




* Não é de forma alguma minha intenção afirmar que apenas podemos alcançar Deus pela razão, apenas uso a razão porque creio que Deus nos capacitou com esta também para o entendermos e porque sei que muita gente pensa que Deus é alguma coisa que apenas se associa a religião e a fé.

domingo, março 25, 2007

Deus criou tudo, quem criou Deus?

Neste post venho abordar mais uma questão, bastante usada para de alguma forma pôr em causa a existência de Deus, vamos também ver que é mais uma questão sem sustento.

Tudo o que existe tem uma causa
Se Deus existe tem de ter uma causa
Deus não tem causa
Logo Deus não existe


Este argumento está filosoficamente bem feito, mas temos de provar que as premissas são verdadeiras para o aceitarmos. Se as premissas forem verdadeiras é plausível que o argumento aponte para a inexistência de Deus, se por outro lado as premiças forem falsas então este argumento não demonstra sustento.

Esclarecendo a lei da causalidade
Se conseguirmos provar que a primeira premiça não se aplica a Deus então o argumento não tem viabilidade. Vamos a isso.
Existem leis universais que são obviamente axiomas, como a lei da causa efeito, mas talvez tenham excepções.
A lei da causalidade, causa efeito, foi descoberta observando o universo, se alguma coisa não está delimitada ao universo, então essa lei pode não ter efeito a essa coisa.
A Bíblia demonstra que Deus não está limitado ao universo, Ele mesmo o criou, logo Deus pode não estar condicionado à lei da causalidade, uma vez que não tem limites de qualquer nivel, seja ao nível do espaço, ou do tempo.

Criador das leis
Deus que criou tudo, logo também criou as leis de tudo o que criou, logo se Deus criou as leis, Ele existia antes das leis, logo não está condicionado a essas leis. Desta forma observamos que a lei da causalidade não se aplica a Deus.

Conclusão
Desta feita vamos reformular o argumento e as premissas:

Tudo o que existe no universo tem uma causa
Deus está além do universo
Logo, Deus não carece de causa


sexta-feira, março 02, 2007

O argumento não demonstra sustento

Neste post vou abordar provavelmente as duas perguntas mais delicadas no que diz respeito a Deus e à sua existência, que são:

1ª Se um Deus perfeito e todo-poderoso existe, então como é possivel existir o mal?

2ª Quando Deus criou os seres humanos, sabia a priori que alguns iriam para o Inferno, então porque mesmo assim os criou?


PERGUNTA 1

Intro
Vamos começar pela primeira.
A pergunta é plausivel, mas não tem senso em relação à primeira permissa (Se um Deus [...] existe...). Porquê? Porque a existência do mal aponta-me para a existência de um agente maléfico (Satanás) e não para a inexistência de Deus. Mas vamos mais fundo. Suponhamos que alguém alteraria a pergunta para qualquer coisa assim:
Se um Deus perfeito, amoroso e todo-poderoso existe, então porque permite a existência do mal?
Em primeiro lugar, onde fomos buscar a ideia de mal e bem? Nasceu connosco, como tal o próprio Deus capacitou-nos para detectar o mal e o bem. C. S. Lewis disse:

[como ateu], meu argumento contra Deus era que o Universo parecia cruel e injusto demais. Mas de que modo eu tinha esta ideia de justo e injusto? Um homem não diz que uma linha está torta até que alguém tenha uma ideia do que seja uma linha recta. Com o que eu estava comparando este Universo quando o chamei de injusto?(1)

Contra Argumento
Se esta primeira pergunta for usada como reveladora da inexistência de Deus, então nesse caso, teremos de inverter a pergunta:
Se um Deus perfeito, amoroso e todo-poderoso não existe, então porque existe o bem?
Se por existir o mal Deus não existe, então por existir o bem Deus existe! Estou simplesmente a usar a lógica da primeira pergunta. Então Deus, o mal e o bem podem coexistir e ser explicados, vejamos o que disse G. K. Chesterton:

O mal é tão mau que não podemos evitar pensar que o bem é um acaso; o bem é tão bom que ficamos certos que o mal pode ser explicado.(2)

Livre Arbítrio
Apenas o ser humano se preocupa com a questão do mal, os animais simplesmente vivem como se nada fosse, mas o homem vive inquieto, procura soluções e respostas, parece-me que este peso sobre o ser humano acerca desta questão seja o indício de que este seja o culpado, ou um dos culpados da existência do mal, a Bíblia diz percisamente isso.
De facto, o mal entrou no mundo porque o ser humano o permitiu, o mal não é nada mais, nada menos que ausência de bem. Quando Adão e Eva pecaram eles rejeitaram a voz de Deus e assumiram a possibilidade dessa voz estar errada, ou seja, puseram o bem para o lado e aí começou o mal.
Hoje em dia o mesmo acontece, Deus como não criou seres robóticos, deu a liberdade para o ser humano escolher, tanto matar uma pessoa como salvar uma vida, porém um dia as coisas mudarão.
Deus podia impedir acontecimentos, como o 11 de Setembro, mas para o fazer também tinha de impedir cada um de nós de fazer seja qual mal fosse, ainda que "pequeno", como mentir ou até ter a intenção de mentir.

Benefícios do Mal
Se o mal existe, então podemos valorizar melhor o bem. Quem é que pode ser chamado de corajoso se não enfrentou nenhuma situação de perigo? E a comida não sabe melhor quando temos fome? Experimentar o ódio não nos faz alegrar mais com o amor?
Ainda que melhor fosse o mal não existir, uma vez que existe, ele pode ter um propósito sublime.

O Ovo
Vamos desmaterializar a nossa maneira de pensar. Jesus é enfático no que diz respeito à desmaterialização da nossa maneira de pensar. Jesus sempre dizia para pensarmos mais na vida eterna do que na terrena, no céu e não na terra, procurar os tesouros do paraíso e não os do mundo, etc, etc.
Imaginemos a vida como um ovo, esta fase que vivemos é apenas a casca, a casca serve para manter o interior do ovo conservado, interior esse que tem utilidade. Desta forma devemos ter em mente a eternidade e não a efemeridade desta vida, afinal ela é só a casca. Com esta maneira de pensar olhamos para o mal como algo que não existirá na vida eterna no céu, encaramos o mal como algo efémero.
Quando matam uma criança, atónitos, muitos de nós perguntamos: Porque Deus permitiu? Bem, Deus agora tem essa criança no céu e ela está bem melhor que nós, seu corpo era a casca, mas o seu interior é muito mais importante.

O Fim do Mal
O mal e todos aqueles que amam o mal vão para um sítio chamado Inferno. Quem não ama o bem já ama o mal, porque quem ama o mal odeia o bem. Quem não quer ir para o Inferno deve encaminhar-se para o Céu, porque o Céu é para quem quer, o Inferno é para quem não quer. Jesus é para quem quer salvação, Satanás é para quem não quer salvação. Quem quer perdição, não quer salvação. Porque todos nós fomos projectados para ir para o céu, como tal quem não quiser o céu, vai para o local dos que não querem. Com isto Deus faz um favor àqueles que não quiseram que Deus estivesse com eles na terra. Se não quiseram Deus com eles na terra, Deus, no Céu, também não os quererá.

PERGUNTA 2
Intro
A pergunta 1 já foi explicada, mas desta explicação pode suscitar uma outra pergunta, a pergunta 2:
Quando Deus criou os seres humanos, sabia a priori que alguns iriam para o Inferno, então porque mesmo assim os criou?
A estratégia da pergunta é basicamente tentar mostrar que afinal Deus não amou a sua criação e tentar mostrar que a Bíblia se contradiz. Mas não é isso que acontece.
Como é que um Deus que não ama a sua criação, poderia dar-lhe uma exelente habitação, capacidade de ser feliz, amor, preocupação? Ainda que permitindo o aparecimento do mal, chegou ao ponto de dar o seu filho para salvação de TODA a criação e ainda para mais nos tem preparado lugar junto de sí na sua própria habitação, como pode não amar? E ainda hoje ajuda e soluciona, como não ama? Agora vejamos quem somos e tentemos vislumbrar o que é um Deus ilimitado...Amou, defenitivamente amou.
A resposta não é falta de amor, então é outra, mas antes de eu a dizer abordemos melhor a pergunta.


Hipóteses

Deus tinha 5 hipóteses:
1 Não criar nada
2 Ter criado um mundo sem liberdade
3 Ter criado um mundo livre onde não poderiamos pecar
4 Ter criado um mundo livre onde poderiamos pecar mas no qual todos aceitariam a salvação de Deus
5 Ter criado um mundo como temos agora

Vamos comparar a hipótese 5 com todas as outras:
1 Quanto à hipotese 1, não é comparável, não se compara nada com alguma coisa, seria como comparar maçãs com não-maçãs, impossivel.
2 A segunda opção seria sem dúvida uma opção onde não haveria mal, mas também não haveria bem moral, ninguém poderia sentir o amor, seria tudo mecânico.
3 e 4 Estas opções são incompativeis com elas mesmas, sendo livres as pessoas poderiam fazer o que quisessem, se estivessem limitadas a fazer tudo menos pecar, já não seriam livres. Da mesma forma no ponto 4 não existe liberdade, se todos fossem levados a aceitar a salvação então eles já não seriam livres.

A liberdade de escolher implica escolhas, se uns teimam em fazer a má...é exactamente isso, liberdade.

Persciência é diferente de Predestinação
Deus ao criar cada pessoa sabia o que essa iria ser, mas não destinou o que iria ser. A Bíblia está repleta de profecias, as profecias não foram escritas como que sendo predestinações, não, as profecias foram escritas através da presciência de Deus, Deus sabia o que aconteceria antes desse facto acontecer. Judas traiu Jesus, não porque estava profetizado, mas sim porque ele quis.
Então quando Deus deseja mesmo assim criar uma pessoa sabendo que esta escolherá o Inferno, ele não predestina essa pessoa ao Inferno, simplesmente sabe as escolhas que essa pessoa irá fazer.


O Porquê
Para provar que Deus realmente deu liberdade de escolher, para provar que quem não quisesse ir para o céu não iria. Se Deus evitasse o nascimento daqueles que não quereriam estar com Jesus, então Deus não poderia provar que se alguém escolheu o Inferno era para lá que iria. Não estaria na Bíblia que aqueles que praticassem o que Deus não quer e não se arrependessem estariam separados dEle, porque não haveria prova disso.

O Bem está acessivel a todos
O Bem está acecivel a quem quiser, o céu é para quem quiser, se alguém não foi para lá foi porque não quis, Deus jamais colocou no Inferno quem quis o Céu. A pessoa de Jesus Cristo revela isso mesmo, salvação para quem quiser, sem acepção de pessoas.

A Minha Ignorância
Declaro que este texto tem afirmações que não tive espaço para explicar melhor, tem afirmações que não sei explicar melhor e existem coisas que jamais conseguiremos entender. Sei pouco, mas com o pouco que sei, vejo e sinto, através de um raciocínio simples leva-me a estas respostas. O Mal ainda perturba, é dificil entendê-lo, mais dificil explicá-lo. Apenas conhecemos em parte, mas quando vier o que é perfeito o que é em parte será aniquilado(3)

CONCLUSÃO
Este tema defenitivamente poderia ser mais desenvolvido, além do mais existem mais perguntas e mais respostas acerca do mal, do bem e de Deus, mas este post já foi bastante longe...Espero que alguém o leia e compreenda que nenhuma das perguntas abordadas tem sustento suficiente para agredir evidência de Deus.



1 C.S. Lewis, Mere Christianity (Cristianismo puro e simples), pag 45
2 G.K. Chesterton, The man who was thursday (O Homem que era quinta-feira), pag 176
3
1Co 13:10
Philip Yancey, Rumores de outro mundo
Norman Geisler & Frank Turek, Não tenho fé suficiente para ser ateu