quinta-feira, fevereiro 14, 2008

Discutindo algo Absurdo

A - Sabia que aquilo a que chamas vida não passa de um sonho?
Y - Hum?
A - Tudo isto que vivemos, inclusivamente este momento é um sonho, não passa disso.
Y - Deixe de dizer disparates.
A - Verdade.
Y - Quer-me você dizer que me acordou para dizer um disparate destes?
A - Mas qual disparate? É verdade, a morte é o acordar e o nascer é o adromecer para este sonho.
Y - Como me pode provar isso?
A - Na verdade não posso mas você deveria acreditar nas minhas palavras, mas deixe-me mostrar que faz sentido: A existência são sonhos dentro de sonhos de uma forma indeterminada, mas na verdade estamos num estágio baixo no qual não se pode perceber muito bem que isto é um sonho, só o perceberemos quando acordarmos, tal como os comuns e básicos sonhos que temos neste sonho maior ao qual você chama vida.
Y - Há aí uma certa inconsistência...
A - Qual?
Y -Repara os meus sonhos são o reflexo de algo vivido, na sua maneira de ver sonhado com mais intensidade e defenição, e isto é ponto acente pois os cegos não sonham com imagens, logo os meus sonhos são reflexo das minhas vivências. Ponto acente?
A - Sim...
Y - Veja então, se isto que chamamos vida é um sonho é também, o sonho de estágio mais avançado nada tem de novo, pois esta vida seria apenas o reflexo desse sonho maior, logo não me parece que isso faça muito sentido esse estágio amis avançado haver.
A - Não, é tudo uma questão de controlo. Nos seus sonhos você tem pouco controlo, na sua vida mais controlo, mais escolhas. Em estágios mais avançados o controlo será cada vez maior.
Y - Nesse caso permita-me fazer-lhe uma pergunta.
A - Disponha
Y - Nos meus sonhos consigo voar e fazer coisas que nesta vida, ou neste sonho, não consigo. Seguindo o mesmo raciocínio do controlo, significa que há medida que avanço nos estágios dos sonhos tendo a ganhar mais controlo, mas a perder capacidades, certo?
A - Hum...não necessariamente.
Y - Explique
A - É um grande mistério.
Y - Ainda tenho mais um argumento contrário à sua ideia
A - Lembre-se que isto é tudo um sonho e nos sonhos o que parece fazer sentido em estágios mais avançados é afinal um absurdo.
Y - De qualquer maneira seguindo o mesmo argumento do controlo. Nos sonhos não sinto dor, na vida sinto, logo em estágios superiores àquilo que chamo vida, serei sobremaneira sensivel à dor.
A - Não.
Y - Porquê?
A - Não é assim que funciona.
Y - Como é que você sabe?
A - Você não conseguiria entender.
Y - Tudo bem, se não há nenhum prenúncio de um estágio superior, neste meu estágio não vale a pena me preocupar.
A - Mas veja que existem estágios inferiores, isso só por si é um indício.
Y - Mas eu em estágios inferiores não vou a outros inferiores ainda.
A - Porque não pode, só se pode descer um e subir um.
Y - Então como se pode saber que há mais?
A - Um grande mistério
Y - Posso matá-lo?
A - Não pense numa coisa dessas!
Y - Então? Vá lá! Isto é só um sonho, é da maneira que ia mais rápido para um estágio superior
A - Isso não funciona assim, por favor baixe essa arma! Socorro!
Y - Num estágio superior certamente você controlaria melhor a sua bexiga...


2 comentários:

rafa disse...

nem sei que te diga natas lol. deu pa gargalhada. isso tem uma fonte ou inventas-te?

Marcos Sabino disse...

Y - Posso matá-lo?
A - Não pense numa coisa dessas!
Y - Então? Vá lá! Isto é só um sonho, é da maneira que ia mais rápido para um estágio superior
A - Isso não funciona assim, por favor baixe essa arma! Socorro!
Y - Num estágio superior certamente você controlaria melhor a sua bexiga...


ahahah

tanta treta tanta treta, para no fim não acreditar no seu próprio absurdo