terça-feira, janeiro 20, 2009

Comprando Cosmovisões (Ateísmo e Teísmo)

Cosmovisão(1) é a maneira como cada pessoa encara, age e reage em relação à realidade. A cosmovisão norteia as ideias do ser humano e responde necessariamente a 5 questões fundamentais, questões estas que estão inseparavelmente ligadas à nossa posição em relação à existência e essência de Deus. As questões são:
  1. Origem - De onde viemos?
  2. Identidade - Quem somos?
  3. Propósito - Porque estamos aqui?
  4. Moralidade - Como devemos viver?
  5. Destino - Para onde vamos?
Decidi abordar duas cosmovisões que são perfeitamente antagónicas, algumas cosmovisões partilham algumas respostas, mas estas não, são elas o Teísmo e o Ateísmo, veja-se a seguinte tabela.


Como podemos ver a nossa cosmovisão influencia toda a nossa concepção do mundo. Daí que a minha resposta a muitas outras questões varia da minha cosmovisão, há todo um raciocínio por trás quando digo, por exemplo, que o homossexualismo é errado, não é porque sou homofóbico ou porque desgosto das pessoas, deriva da minha cosmovisão, eu creio que o plano de Deus para uma relação é o da monogamia heterossexual e daí defendo isso, e logo mais os factos atestam esta verdade mostrando que faz sentido.
Mas voltando à análise da tabela em si vou comentar cada questão individualmente.
  1. Origens - O Ateísmo (sustenta a ideia naturalista) acredita que do nada houve uma explosão que fez aparecer toda a matéria, e que do inorgânico espontaneamente apareceu a vida e que a vida se desenvolveu através de processos de adaptação até chegar ao ser humano. Acredita que toda a informação presente no universo (ex. ADN) simplesmente veio a existir por obra do acaso. Já o Teísmo acredita que o Homem foi criado por Deus à sua Imagem e semelhança, que tudo o que existe foi criado por um Designer Inteligente exterior e anterior à sua criação.
  2. Identidade - O Ateísmo diz que o Homem só é matéria, logo mais não é uma individualidade mas é parte de um todo que surgiu no início do universo. O Teísmo atesta que Deus criou o Homem com corpo e espírito, para se relacionar com ele.
  3. Propósito - No Ateísmo não existe sentido para a vida, a nossa própria consciência de felicidade é só uma maneira como os nossos neurónios reagem a impulsos exteriores, não existe sequer vontade porque essa vontade é despoletada não por nós mesmos mas derivado às circunstâncias circundantes que influenciam o nosso corpo, o Homem é uma piada trágica num contexto de total absurdo cósmico, como disse o filosofo existencialista ateu Jean Paule Sartre. No Teísmo nós encontramos um Deus que projectou o Homem com o intuito de viver numa relação de amor, tanto como os outros seres como com Deus, mas que lhe deu plena liberdade para escolher se queria viver desta forma ou não.
  4. Moralidade - Para um ateu a moralidade é relativa se é que existe, uma vez que não existe bem ou mal, tudo é uma questão de opção, nada é certo ou errado porque que isso é apenas uma concepção que surgiu no nosso cérebro com o passar do tempo para que a espécie não se extinguisse, portanto um homicídio é tão correcto quanto salvar alguém que se está a afogar, Adolf Hitler é tão humano quanto Madre Teresa de Calcutá. É tudo uma questão de gosto. Para um Teísta Deus é o Legislador que deu ordens para que o Seu perfeito desígnio pudesse ir avante, ele deu uma lei moral que está em cada um e uma consciência, além disso revelou-se ao longo dos tempos e disse ao ser humano a forma como deveria viver.
  5. Destino - O destino do ateu é ficar reduzido às mais simples moléculas, depois apenas a átomos e depois, misteriosamente, possivelmente a nada. A morte, ou seja o fim da vida, as consequências da entropia, lei que apareceu por acaso no início do universo. Já o destino do teísta será o ser julgado pelas suas decisões, se a sua decisão em vida foi viver com Deus, viverá com Deus, se a sua decisão foi outra que não viver com Deus, viverá sem Deus eternamente.
Com isto quero questionar se somos capazes de suportar a nossa cosmovisão, se a defendemos apenas por motivos volitivos ou se estamos intelectualmente conscientes do que significa o que acreditamos e defendemos. Alerto que se cheguem ao Deus do Teísmo pois é a única maneira de se viver com prazer e sentido neste mundo.



1 Existe um site que calcula a cosmovisão de cada individuo (não é muito confiável).

33 comentários:

O PENSADOR disse...

Excelente postagem! Interessante notar que existem cientistas ateus apesar da própria ciência ser a favor de Deus conforme podemos verificar na Lei da Biogênese que derrubou a tese da Abiogênese, onde a biogênese defende que vida só pode ser gerada de vida, somente algo ou alguém que possuísse vida em si mesmo poderia gerar vida, o que derruba a grande explosão cósmica de massa nenhuma que gerou vida de onde não havia vida... Somente a existência de Deus, que possui vida em si mesmo é capaz de corroborar com a própria Lei da Biogênese a qual é amplamente defendida no meio acadêmico... Um abraço... e mais uma vez, excelente post...

Nuno Fonseca disse...

Deus te abençoe no teu ministério apologético.

Continua a mostrar ao mundo 'a razão da nossa esperança'.

Aconselho-te a dares uma olhada no meu blogue, onde também incluo a defesa da fé e a refutação da mesma:

www.subcristao.blogspot.com

§

SEMPER REFORMANDA

Dário Cardina Codinha disse...

Esse quadro é muito feito à força.

Obviamente que a parte do ateísmo não é tão "nada".

Basta leres algumas coisas para perceberes que não é assim... enfim

natenine disse...

Dário é evidente, que não podemos retirar toda a informação a partir de um quadro, a explicação vinha logo a baixo.

É evidente que não digo que os ateus não tenham propósitos, mas isso é porque fomos criados por um Deus que nos designou a viver com propósitos.

Dário Cardina Codinha disse...

"O Ateísmo (sustenta a ideia naturalista) acredita que do nada houve uma explosão que fez aparecer toda a matéria"

Falso

"do inorgânico espontaneamente apareceu a vida"

Errado

"toda a informação presente no universo (ex. ADN) simplesmente veio a existir por obra do acaso."

FALSO


A tua área não é científica. Não tens conhecimentos de biologia nem de cosmologia para estares a inventar. Podes dizer coisas básica. Informação que se houve por aí, e que é errada ou são mitos científicos, frases alteradas pelas pessoas leigas.

Há pormenores que estão errados nessas frases e isso pode tornar todo o post errado. Não contrario as tuas visões ou crenças. Mas devias alteras uns conceitos. Queres as correcções?

natenine disse...

Dário estás a cometer a falácia do apelo à autoridade, julga o post pelo que está escrito e não pelo que eu sou.

Dário Cardina Codinha disse...

Mas eu julgo! LOL
O facto de não ser a tua área de estudo está espelhada no post.
Se fosses um expert nessa matéria ou não escrevias o que escreveste ou, se escrevesses criticava-a na mesma. E porquê? Porque são frases erradas. É como alguém te dizer que as estrelas, de dia, não se vêem porque se apagam. Sabes que é errado e queres explicar porquê. E essa pessoa diz que estás a ser falacioso.

natenine disse...

Pois então estás a ser desonesto intelectualmente.

Dário Cardina Codinha disse...

Não estou nada. Estou só a tentar dizer que há frases erradas no teu post. Posso-te dizer porque estão erradas.
Se escrever um post sobre história da guerra civil espanhola vou ter de aceitar enganos. Porque não é a minha área de estudo.
Queres que te explique porque estão erradas?

natenine disse...

Sim, podes manifestar o teu ponto vista.

Dário Cardina Codinha disse...

O Big Bang não se trata, como pensas, de um pontinho e que explodiu. Trata-se de um conjunto de buracos negros que, devido a acções quânticas tornou-se instável explodindo. Tal como acontece com algo denso, se houver alguma instabilidade ocorre um efeito dominó instantâneo que provoca a explosão, a expansão. Não foi do nada, foi do plasma existente nesse "espaço". Numa densidade tão grande há muito calor, tanto que não há moléculas nem átomos, nem quarks. Está tudo superaquecido e espremido num plasma.

A vida a aparecer espontaneamente do inorgânico chama-se "geração espontânea" e foi refutada por Pasteur. A ciência actual, bastante evoluída, não diz uma barbaridade dessas . Se tu conseguisses refutar a geração espontânea, qualquer cientista o faria. Aliás, podes refutar com experiências simples. Agora a teoria evolutiva actual é baseada em ciência rigorosíssima, engenharia genética, biologia molecular e celular.

Por último: O DNA (e não ADN)não é toda a informação do Universo. Tudo à tua volta é informação. Uma rocha, um metero, uma estrela, poeira, um átomo, um buraco-negro, tudo é informação.

natenine disse...

Em primeiro lugar eu não disse que o ADN (ou DNA em Inglês) era a única forma de informação presente no universo, dei um exemplo, na verdade isto que estou a escrever também é informação, e se o ateísmo é verdadeiro esta informação é gerada ao acaso.

É verdade que a ciência já refutou a Abiogénese, mas o ateísmo continua a precisar dessa ideia. Se achas que não explica-me como é que a vida passou a existir se antes ela não existia. Se não se gerou, então como é que apareceu?

A respeito do início do universo que descreveste, preciso de saber se antes do big bang já existia tempo e espaço, leis naturais (ex. termodinâmica), se esse conjunto de buracos negros é eterno, se não quando surgiu?

bcm0809 disse...

Em relação aos 2 primeiros pontos só te posso responder depois dos exames de amanha e depois de amanha.

Em relação ao terceiro ponto:
Antes do big bang não havia tempo nem espaço. Não havia qualquer dimensão. Não se sabe quando surgiu esse "ponto inicial" pois se havia algo essa informação desapareceu com as condições extremas e com a explosão. Há sinais dessa explosão hoje em dia.

Já agora, é DNA e não ADN. DNA é uma sigla internacional, é como o N, de azoto. A sigla do azoto é N, de nitrogénio.

Nuno Fonseca disse...

Saudações, Natenine.

Aproveito para te informar que respondi ao teu comentário sobre a problemática do mal.

Quanto aos naturalistas que comentaram o teu post anterior, é óbvia até para eles mesmos que é incoerente refutar uma caracterização moral da cosmovisão empiricista/ateia/evidencialista/evolucionista quando a própria moral não existe no sistema materialista que defendem.

Também me parece evidente que à falácia do apelo à autoridade, encontramos o tecnolecto da física quântica. No fim, reparemos na formulação seguinte:

'Antes do big bang não havia tempo nem espaço. Não havia qualquer dimensão. Não se sabe quando surgiu esse "ponto inicial" pois se havia algo essa informação desapareceu com as condições extremas e com a explosão. Há sinais dessa explosão hoje em dia'.

Ou seja: no princípio, do nada, algo fez tudo. Não temos evidências do algo. Mas hoje temos pistas de que algo estava lá quando tudo era nada, no princípio.

É um salto de fé kierkegaardiano.

§

SEMPER REFORMANDA

Marcos Sabino disse...

Boas Dário, já não te via (lia) há uns tempos.

Gostaria de saber de onde veio esse "conjunto de buracos negros que, devido a acções quânticas tornou-se instável explodindo."

Se a vida não apareceu atraves da abiogénese, como acreditas que surgiu?

Sendo o ADN (visto que estamos em Portugal) o código da vida, de onde veio a informação (que é sempre independente do meio material)?

Dário Cardina Codinha disse...

deixem-me acabar os exames desta semana para responder a essas questões.

Não é ADN, é DNA, visto ser uma sigla internacional. Não dizes que o azoto é Az pois não? O azoto é N porque é uma sigla internacional, tal como a AIDS. Estas siglas são reconhecidas internacionalmente senão haveria grande confusão.

"no princípio, do nada, algo fez tudo. Não temos evidências do algo. Mas hoje temos pistas de que algo estava lá quando tudo era nada, no princípio."

1- Não disse que não havia nada.
2- Temos evidências, a radiação cósmica de fundo em microondas é uma dessas evidências


Para quem não percebe de cosmologia estas coisas são difíceis, é lógico, para mim também era há uns 10 anos atrás, quando a comecei a estudar.

Nuno Fonseca disse...

1- 'Não é ADN, é DNA, visto ser uma sigla internacional. Não dizes que o azoto é Az pois não? O azoto é N porque é uma sigla internacional, tal como a AIDS. Estas siglas são reconhecidas internacionalmente senão haveria grande confusão'.

R: 'O ácido desoxirribonucleico (ADN, em português: ácido desoxirribonucleico; ou DNA,(em inglês: deoxyribonucleic acid), é um composto orgânico cujas...' [fonte: wikipédia]

Compreendo que querias manter a tua fidelidade à tabela periódica internacional. Mas questiono se a forma do inglês é a canónica, visto que todas as outras ou são do grego ou do latim. Em todo o caso, não deve ser grande afronta à tua legitimidade científica referires-te à SIDA em público ao invés da AIDS, pois não?

2- 'Para quem não percebe de cosmologia estas coisas são difíceis, é lógico, para mim também era há uns 10 anos atrás, quando a comecei a estudar'.

R:. Pois, amigo. Mas cinge-te às tuas limitações naturalistas. Descreveres o teu 'algo' e o teu 'nada' não clarifica a ilogicidade das tuas proposições. Repetindo:

'Antes do big bang não havia tempo nem espaço. Não havia qualquer dimensão' = nada.

'Não se sabe quando surgiu esse "ponto inicial" pois se havia algo essa informação desapareceu com as condições extremas e com a explosão'. = algo se fez do nada, mas não há evidências.

'Há sinais dessa explosão hoje em dia'. = à falta de evidências, temos 'sinais' para o nosso salto de fé.

'Temos evidências, a radiação cósmica de fundo em microondas é uma dessas evidências'. = isso só evidencia que temos radiação cósmica de fundo em microondas.

Repare-se que com isto pretendo demonstrar a ilogicidade do axioma naturalista, que anula a sua metodologia de estudo pela sua metodologia de estudo. Também creio que universo teve um começo - o que refuta a cosmologia ateia encetada por Kant sobre o universo eterno sem começo - mas quero obviar como os cosmologistas empiricistas não podem factualizar sobre a origem do universo, pois saem da sua área de estudo e método de verificação ao tentá-lo.

Dário Cardina Codinha disse...

1-
"'O ácido desoxirribonucleico (ADN, em português: ácido desoxirribonucleico; ou DNA,(em inglês: deoxyribonucleic acid), é um composto orgânico cujas...' [fonte: wikipédia]"

Estou só a fazer um reparo curioso. Algum problema??
Porque é que em todo o mundo se escreve AIDS em artigos científicos? Ou N? Existe uma ONG chamada IUPAC que é a auturidade no desenvolvimento de padrões para a denominação de compostos químicos. Ou seja, determina a nomenclatura para que seja usada de forma consensual em todo o globo. Não interessa se for inglês ou japonês, ou hebraico… será a nomenclatura mais usada e mais acessível a todos os países que pertencem a esta ONG. Uma nomenclatura consensual serve para facilitar. O P, de primitiva, é português, o AIDS é inglês, o N é internacional.
Por favor… foste ao wikipédia ver o que é o DNA? O wikipédia é feito por quem se inscrever. Se me apetecer por DNA= Dona Natália Albuquerque ponho e tu vais lá ver

2-
"'Antes do big bang não havia tempo nem espaço. Não havia qualquer dimensão' = nada."

Dimensão 0 quer dizer nada? Então porque é dimensão 0 e não é o nada? A física e a matemática não são o teu forte pois não? Imagina um eixo e diz-me que aspecto terá um ser de 0 dimensões, um de 1 dimensão, um de 2 dimensões e outro de 3 dimensões.
Para ti é nada porque não consegues compreender as exigências quânticas presentes nessa altura. Antes do big bang poderia haver qualquer coisa. Não dá para sabermos pois a informação se destruiu devido às condições drásticas

3-
"'Temos evidências, a radiação cósmica de fundo em microondas é uma dessas evidências'. = isso só evidencia que temos radiação cósmica de fundo em microondas."

O Universo está recheado de uma radiação de microndas, que se diluiu progressivamente e arrefeceu até aos 2,7 graus acima do zero absoluto.
Nos seus estados iniciais o Universo não estava povoado por aglomerados de matéria grandes, de grande entropia. A uniformidade da radiação da temperatura da radiação confirma que o jovem universo era homogéneo
Mas em primeiro lugar convém saberes o que é a RCFM. É muito fácil dizer que isto ou aquilo está errado. E explicar?? Ahh…

4-
"saem da sua área de estudo e método de verificação ao tentá-lo."

Óbvio que o método científico não é possível neste momento. Estamos numa época em que, na física, a teoria está à frente da técnica. O LHC está pronto para verificar algumas partículas fundamentais que a teoria prevê. Há uns anos outro acelerador de partículas verificou a existência de outras partículas, os quarks. É claro que, se algo descoberto for diferente do que se espera isso pode mudar tudo. Mas enquanto não acontece a teoria continua em pé e a ser verificada. Quando acontecer muda-se de rumo… mas quando acontecer. Se esperamos que as coisas estão sempre erradas não fazíamos nada. Nem a teoria newtoniana existiria porque algo poderá contrariar a tal teoria.

Nuno Fonseca disse...

Caro Dário,

1- Com calculas, não tomo a wikipédia como autoridade no que quer que seja, senão como instrumento do académico amador, ou como amostra do senso-comum do utilizador mediano. Como tal, quis demonstrar como há quem use a sigla DNA, e como não é errado utilizá-lo num discurso vernacular - se é que seja mesmo ímpróprio para a linguagem científica, como dizes - e eu não disputo.

2; 3 -'Dimensão 0 quer dizer nada? Então porque é dimensão 0 e não é o nada? A física e a matemática não são o teu forte pois não?'

R: A dimensão 0 não é descrita como nada, pois não é um termo apropriado para a física e a matemática para a qual não sou competente, como sugeres. Ora, dir-te-ia que não mostravas trabalho feito da epistemologia, também. Mas prefiro supor que se começa a obviar para ti que o método naturalista/empiricista/materialista que é o corrente é incapaz de estabelecer cosmovisões sob termos lógicos (indutivos, silogísticos, etc) e deve cingir-se à análise e classificação para evitar sair da sua área restrita de estudo. Quando intenta fazê-lo, por exemplo, nas pessoas de Dawkins e Hitchens, cedo se depara com a incongruência de definir o universo por pressuposições quando, nos seus axiomas, apenas lhe cabe a recolha de dados. Assim, a 'dimensão 0' não é o nada, pois 'nada' pertence à lógica - a disciplina-mãe das ciências humanas.

4- Respondido acima.

Força para os exames.

§

SOLI DEO GLORIA

Marcos Sabino disse...

Dário, quando acabarem os teus exames ou quando tiveres, responde às minhas questões.

Abraço

Dário Cardina Codinha disse...

1- "A dimensão 0 não é descrita como nada, pois não é um termo apropriado para a física e a matemática "

A dimensão zero é nada?? Nada mais errado! Dimensão zero é, nada mais nada menos que um ponto. Os pontos não têm dimensão.


2- "o método naturalista/empiricista/materialista que é o corrente é incapaz de estabelecer cosmovisões sob termos lógicos "

Explica lá isso


3- "deve cingir-se à análise e classificação para evitar sair da sua área restrita de estudo"

A ciência cinge-se à análise do meio. A componente técnica comprova ou rejeita a componente teórica. Tens o exemplo de algumas partículas subatómicas que o Fermilab provou existirem. Provas, factos não são metafísica que eu saiba. Quando se investiga uma possível partícula ou um possível campo de forma a explicar um fenómeno não se entra por outro lado a não ser a própria física. Como é que achas que a comunidade reagiria se uns físicos dissessem algo disparatado? Seriam excluídos dos seus grupo e não seriam tratados como cientistas. Isto acontece porque a ciência trabalha e tenta responder às questões no âmbito do seu estudo.

Marcos Sabino disse...

Dário,

Gostaria de saber de onde veio o "conjunto de buracos negros que, devido a acções quânticas tornou-se instável explodindo."

Se a vida não apareceu atraves da abiogénese, como acreditas que surgiu?

Sendo o DNA o código da vida, de onde veio a informação (que é sempre independente do meio material)?

Dário Cardina Codinha disse...

Se o universo for sem acidentes, uniforme e homogéneo a larga escala, de onde poderá ter vindo a aglomeração a pequena escala? A cosmologia convencional do big bang pode evitar a pergunta apelando às condições altamente favoráveis e misteriosas do início do universo. No entanto há duas lacunas: a falta de explicação da homogeneidade inicial e a falta de explicação das minúsculas faltas de uniformidade.

De acordo com a cosmologia inflacionária, a não uniformidade inicial veio da mecânica quântica. O princípio da Incerteza de Heizenberg diz-nos que existe sempre um preço a pagar pela exactidão com que podemos determinar as várias características físicas complementares, como a velocidade e posição

A súbita explosão de expansão inflacionária esticou o espaço por um factor gigantesco, e as diferenças aleatórias entre a agitação quântica em duas localizações espaciais teriam gerado pequenas faltas de homogeneidade no reino microscópico. Devido à agitação quântica indiscriminada, a quantidade de energia num sítio seria ligeiramente diferente de outro sítio. Variações essas que resultaram numa pequena aglomeração.

A expansão inflacionária terminou quando o valor do campo do inflatão deslizou pela sua energia potencial fazendo o campo perder a energia e a pressão negativa acumuladas. O valor mais baixo do campo do inflatão era ligeiramente diferente sítios, o que deu origem a faltas de homogeneidade.

Estas variações, muitíssimo pequenas, da temperatura seguem um padrão ao longo do céu. As previsões batem certo com as observações dos satélites, evoluindo de um campo baseado em especulação e conjecturas para um campo firmemente baseado em observações.

A energia total que o campo do inflatão carregava aumentou à medida que o espaço expandiu, crescendo em proporção directa ao volume. O universo aumentou por um factor de, pelo menos, 1030 durante a inflação ( o volume aumentou por um factor de 1090). Com uma dimensão de 10-26 cm, um pedaço de matéria com um campo de inflatão uniforme (com 10 kg), iria adquirir energia suficiente para dar conta de tudo o que vemos no universo hoje. Ou seja, um espaço com 10 quilos preenchido com inflatão pode produzir toda a matéria e radiação de hoje.

Mais cedo ou mais tarde, uma flutuação aleatória dentro da zona altamente energética e turbulenta do universo primordial faz com que o campo do inflatão salte para um valor correcto e uniforme num pequeno pedaço de espaço, iniciando uma explosão de expansão inflacionária (bastaria um volume de 10-26 cm de lado).

A expansão inflacionária desencadeou-se. O pequeno pedaço foi esticado até escalas gigantescas. Não há nenhuma razão misteriosa pela qual o universo é vasto e com inúmeras galáxias.

Poderia haver muitos pedaços espalhados

A inflação explica vários problemas: O horizonte, a planura, a origem da estrutura, a baixa entropia do universo inicial


Adaptado de "O Tecido do Cosmos" Brian Greene

Marcos Sabino disse...

Resumindo... não faço a mínima ideia. E como não faço a mínima, vou-te tentar cegar com jargão científico, para ver se não dou a entender que não faço a mínima ideia

: )

Dário Cardina Codinha disse...

Resumindo... não sei como debater e digo que usas palavras complicadas para me tentar tapar os olhos.

LOL... és ridículo

http://o-outro-universo.blogspot.com/2009/02/o-metodo-cientifico-e-o-metodo.html

natenine disse...

Dário não respondeste as nossas perguntas, se estas a tentar tapar os olhos ou não eu não sei.

Marcos Sabino disse...

Eu pelo menos não vi as minhas perguntas respondidas. Eu prefiro que digas "não sei" ou "ainda não sabemos" do que tentes disfarçar o teu desconhecimento com textos que não respondem às questões colocadas.

Dário Cardina Codinha disse...

respondi a uma questão. Tu não soubeste extrair a informação??

Tem calma porque estou a fazer outras coisas. Quando puder respondo ao resto

Marcos Sabino disse...

Ok. Nao consegui extrair. Ou sou muito leigo ou esperava uma resposta mais clara e sucinta.

rafa disse...

Marcos, tens que tentar compreender o tipo de questões que estás a colocar estão muito fora do domínio do senso comum. isto é... não existem respostas simples e sucintas nem analogias convenientes para explicar muitas questões da física, o Dário pode nem sequer ser dotado o suficiente para te explicar mesmo numa conversa ao vivo muito menos por escrito, na verdade alguns dos termos que ele usa, se fores pesquisar, têm definições muito maiores do que as intrevenções dele. eu leio e admito não entender algumas palavras e basta não entender uma para a ideia não se fazer passar. em suma queria dizer que não é à toa que sempre que se fala nestas questões aparecem "jardões técnicos" é porque mesmo que seja muito simplificada a linguagem cintífica é muito expecífica

Sanches disse...

Eu aqcho que você deveria estudar mais a fundo as idéis ateistas, pois não está sabendo se expressar direito.
Muitas coisas que você comente como certas, estão totalmente erradas. Além do mais, me parece que estás a atacar o ateismo, e como ateu lhe digo que não sou inteiramente bom ou mal, mas tenho respeito pelos outros. Por favor não fale mal do que você não entende.

natenine disse...

Sanches eu reconheço que este post aparenta ser agressivo, mas longe de mim essa intenção, eu nunca quis, nem quero agredir ninguém.
As suas ideias são bem-vindas! =)

Gabi disse...

Gostei, uma análise comparativa muito interessante. Parabéns!