segunda-feira, março 16, 2009

Nem Oito nem Oitenta

Certamente muitas vezes darei razão a um céptico e certas vezes darei razão a um sincrético (uma pessoa que agrega muitos credos), a explicação para esta posição pode ser entendida no esquema acima. Não quero dizer que é sempre no meio que está a virtude, na verdade nem sempre é, mas aqui parece-me razoável pensar assim.
Por consequência um céptico também concordará comigo em certas ocasiões, tal como o sincrético, porém também há vezes em que nenhum dos dois concordará comigo, e um exemplo disso é o facto de que nem o cético nem o sincrético concordam com o esquema que desenhei.
Quero dizer com isto que muitas vezes eu estou do lado dos céticos negando os paradoxos da religião, no entanto outras vezes estou do lado dos sincréticos concordando que realmente nós somos seres espirituais com necessidades espirituais, entretanto muitas vezes discordo com ambos dizendo que só em Cristo há Salvação.
Com isto quero cultivar um espírito aberto, para que aquando de confrontados com a verdade não a neguemos simplesmente por causa de um rótulo, porque sou Cristão por exemplo, muitas vezes isso é um entrave à verdade.
Será que somos capazes de suportar a verdade? Ainda que tenhamos que mover (muito ou pouco) a nossa esfera devemos lutar em abono da verdade e anular as nossas reservas, no fundo este é um apelo a ter uma mente aberta, porque se buscarmos a Verdade, iremos encontrá-la e Ela nos libertará.

1 comentário:

Penedo disse...

N9,
Tens razão, sem a mente aberta nunca se encontrará a verdade, só se for pormera casualidade. O que acontece é que procurados a verdade com preconceitos, já com ideias formuladas e procuramos algo que corrobore o que nos vai na mente. Se por acaso o que nos vai na mente for a verdade então digo é por mera casualidade.
A verdade é a verdade e não se altera independentemente daquilo que creio e daquilo que se diz, ela é auto-existente