sexta-feira, abril 24, 2009

Sobre Mal e Sofrimento

Tenho recentemente vindo a constatar coisa velha. Algumas pessoas culpando Deus pelas maldades do mundo. Apesar das pessoas que sofrem maldades geralmente não culparem Deus pelas mesmas eu ainda assim respeito o comentário destes críticos, quem me dera porém que elas pudessem ver Deus como Ele é.
Uma coisa tem de ser certa, nós que não sofremos tamanhos males apesar de podermos chamar a Deus injusto (que não é) deveríamos lhe agradecer também a nossa posição agradável de momento. Pois se o culpamos pelos males, porque não o elogiamos pelos bens?
Outra coisa engraçada é que se Deus não existe o conceito de mal torna-se relativo e por consequência sem relevância, PORÉM! Jamais na minha boca se oiça que ateu algum é imoral! Conheço muitos ateus mais morais que alguns (ou devo dizer muitos?) que se dizem crentes. Verdade é que o pensamento ateísta-naturalista conduz a um niilismo imoral, como disse Dostoievsky no seu último romance: "Se Deus não existe, tudo é permitido". Evidente que tudo é permitido de qualquer forma, o que Dostoievsky quis dizer, e eu também é que se não existe um Legislador Moral, a moral perde o sentido pois é relativa a cada individuo, para alguns povos a mutilação do clitóris é moralmente correcta, não entanto sabemos que não o é, mas se o nosso conhecimento de moral também tem origem natural não há termo de credibilidade. Melhor dizendo, se a moral surgiu por selecção natural para a preservação da espécie qual é realmente a a mais valia do pensamento ocidental sobre o africano? Ou qual é realmente a mais valia da moral?
É relevante ainda dizer que uma grande quantidade de maldades acontecem devido ao homem, C.S.Lewis falous de 4/5 do mal serem de origem humana (onde eu e tu estamos incluídos). Quero dizer que não podemos pedir a Deus que force a liberdade que Ele mesmo quis criar proibindo pessoas de matar por exemplo, Ele assumiu esse risco, a liberdade poderia se tornar numa coisa má, como de facto aconteceu. No entanto em toda a Teologia Cristã, existem também palavras como restauração e julgamento. Mas o que quero mesmo dizer é que ao pedirmos que Deus seja mais Divino estamos necessariamente a pedir ao Homem para ser menos humano, para não ter responsabilidade nos seus actos em última análise.
Apesar de ainda haver males que merecem uma discussão aprofundada, neste texto só quis abrir novas linhas de pensamento para que todos aqueles que comigo não se confinam a uma verdade intocável possam buscar uma verdade cada vez mais refinada.
Concluo falando àqueles que sinceramente questionam Deus ao verem o mal: Mostremos a nossa Humanidade que Deus mostrará a sua Divindade.

8 comentários:

deusilusao disse...

"(...) a moral perde o sentido pois é relativa a cada individuo (...)"


Meu nobre, eu pretendo escrever, muito em breve, algo sobre isso no meu blog. A grande questão aqui é que a moral não está atrelada ao indivíduo, mas às sociedades. Espero discorrer bastante sobre isso nos meus próximos textos. E gostaria da sua opinião.

deusilusao disse...

"(...) a moral perde o sentido pois é relativa a cada individuo (...)"


Meu nobre, eu pretendo escrever, muito em breve, algo sobre isso no meu blog. A grande questão aqui é que a moral não está atrelada ao indivíduo, mas às sociedades. Espero discorrer bastante sobre isso nos meus próximos textos. E gostaria da sua opinião.

natenine disse...

Colega, conta comigo ;)

Marcos Sabino disse...

"Pois se o culpamos pelos males, porque não o elogiamos pelos bens?"Pois... vai-se lá saber...

A questão da liberdade é muito interessante. Acho que o livre-arbítrio é um dos maiores presentes de Deus à Sua criação. Aprecio muito a minha liberdade, mesmo quando a uso para fazer coisas que não devia. Estou certo que o ateu também não trocava a sua liberdade por nada.

Convém perguntar umas coisitas ao ateu, a respeito desta coisa da liberdade. O ateu resmunga porque Deus não intervém instantaneamente nos males do mundo. Mas ele não quer mesmo que Deus o faça... vejamos... será que o ateu gostaria que Deus interviesse sempre que alguem fosse pecar? Quando fossemos ver qualquer coisa na net que não devessemos, Deus podia mandar o computador abaixo. Quando fossemos pensar algo que não deviamos, Deus podia dar-nos uma dor de cabeça no momento para nos estarmos ocupados com ela em vez. Quando fossemos a fazer algo que não deviamos, Deus podia mobilizar-nos temporariamente. Etc, etc etc.

Será que o ateu queria mesmo que Deus agisse como um polícia soberano e nos privasse da nossa liberdade? Duvido

O PENSADOR disse...

Gostaria de lhe presentear com um selo que recebi! Se lhe interessar passa lá no Blog para pegá-lo...
Um Abraço!
Shalom!

http://opensador2.blogspot.com/2009/05/selado.html

Nuno Fonseca disse...

Natenine, serás um melhor apologeta bíblico - sendo já tu um óptimo - quando te deixares de teodiceias. Deus é soberano e 'faz todas as coisas segundo a sua vontade' (Ef 1:11). Há que ouvir Lutero e deixar Deus ser Deus.

'Será que o ateu queria mesmo que Deus agisse como um polícia soberano e nos privasse da nossa liberdade? Duvido.'

- Claro que não. Mas também um ateu inteligente jamais gostaria de ouvir que Deus está disposto a enviar inúmeras almas para o inferno porque não quer interferir no livre-arbítrio dos homens que o negam. Que consideração tão sacra tem Deus por essa vontade livre do indivíduo que a protege à custa de tudo - até da sua condenação eterna?

Não criemos inconsistências bárbaras que a Escritura não sugere.

Desastres naturais e o mal em geral são a consequência natural do pecado humano e é Deus que liga uma e a outra realidade na sua justiça. A indignação dum Deus santo e perfeito pelo pecado humano é mais importante que o sofrimento destes, que o causaram sobre si mesmo.

Anónimo disse...

Adorei sua exposição sobre este tema e gostei qdo disse mostremos nossa humanidade qeu Deus mostrará sua Divindade.
E isto que falta para nós cristãos!! não é aceitarmos tudo mas aprendermos a ouvir ainda que sejam ateus( por sinal eles ajudam muito os cristãos inteligentes a melhorarem como cristãos) eu por exemplo recuso-me a idolatrar a biblia coloca-la no mesmo nivel de Deus como uma perfeição em todos os sentidos.
Pricipalmente o velho testamento esta cheio de falhas e interpretações de seus escritores.
Quer uns exemplos? qdo Josué foi lutar contra os cananeus o escritor diz qeu ele parou o sol e a lua e nós hoje em dia sabemos que não foi o sol e a lua que pararam mas que isto precisou ser escrito desta forma para que o povo da época entendesse que o dia parou.
Só mais um: o mundo foi criado em 7 dias.
Ai eu pergunto como pode ser 7 dias nosso de 24 horas se o sol e a lua só foram criados no 3° dia?
provavelmente Deus criou o mundo em 7 periodos não em 7 dias nosso.

natenine disse...

Anónimo, obrigado pelo seu comentário.
Não creio que a Bíblia tenha erros, porém pequenos dilemas como esses que me mostrou conheço muitos mais, o problema é a forma como interpretamos essas passagens aparentemente difíceis.